Paralisia facial idiopática

Novembro 2017


Definição

A paralisia facial se traduz por uma perda parcial ou total da mobilidade de uma parte do rosto. Esse fenômeno está ligado a um problema do nervo facial que garante a mobilidade dos músculos do rosto. Existem dois tipos de paralisias faciais: a paralisia periférica e a paralisia central, geralmente a localização do problema do nervo. A paralisia facial central é causada por lesões cerebrais, tais como um acidente vascular cerebral, um traumatismo ou tumor cerebral por exemplo. Para a paralisia facial periférica, lesões podem ser consecutivas entre outras a uma infecção, uma patologia inflamatória como a esclerose em placas, um traumatismo ou compressão sobre o trajeto do nervo por um tumor. Em alguns casos, nenhuma causa é encontrada: falamos de paralisia facial idiopática ou frigore, cuja recuperação é geralmente completada sobre algumas semanas.

Manifestações

os sintomas da paralisia facial idiopática são:
  • Ausência ou diminuição dos movimentos do lado afetado do rosto;
  • O conjunto da metade do rosto é afetado de maneira proporcional (não é o caso nas paralisias faciais de origem central onde a paralisia afeta sobretudo a metade inferior do rosto);
  • Canto dos lábios abaixado;
  • Impossibilidade de inflar as bochechas ou assobiar;
  • Uma diminuição da quantidade de saliva fabricada além das lágrimas;
  • Dificuldade de falar;
  • Problemas para mastigar.

Esses problemas aparecem de maneira rápida, atingindo seu clímax geralmente em alguns segundos ou minutos, o que gera uma grande angústia no paciente.

Diagnóstico

O diagnóstico da paralisia facial idiopática é muito fácil de fazer em vista dos sinais clínicos e dos sintomas que o paciente apresenta. A distinção entre paralisias de origem central e periféricas é mais sutil: para a paralisia facial idiopática, e de crescimento periférico, um teste é utilizado para visualizar o problema proporcional do rosto: o paciente não é capaz de fechar completamente a pálpebra do lado afetado, deixando uma parte do branco do olho visível. O exame neurológico completo não encontra nenhum outro sinal. Neste caso de normalidade de todo o rosto do exame, nenhum exame complementar é necessário. Enquanto isso, um IRM cerebral é às vezes realizado.

Tratamento

a paralisia facial idiopática não é acessível a um tratamento de cura. Ela desaparece ela mesma em algumas semanas, não deixando nenhuma sequela.

Prevenção

a paralisia facial idiopática não é de causa conhecida e não pode portanto ser prevenida até hoje. Em revanche, em caso de problema, é importante prevenir as complicações oculares causadas pela impossibilidade de oclusão completa tomando cuidado para proteger o olho do lado do rosto afetado. Para isso, é necessário recorrer a um curativo adaptado, e administrar o olho com colírios artificiais se necessário além de tratamentos oftalmológicos adaptados. Essa higiene deve ser meticulosa enquanto a cura não seja atingida.
Publicado por asevere. Última modificação: 23 de novembro de 2016 às 14:08 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Paralisia facial idiopática', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.