O que não se deve falar para um adolescente

Julho 2017

A adolescência, período que costuma perdurar dos 11 aos 17 anos em meninas e meninos, é uma fase de muitas mudanças, dúvidas e inquietações. Descobrindo a sexualidade e uma liberdade maior enquanto as obrigações escolares ganham importância e os hormônios estão à flor da pele, os adolescentes passam por momentos de grande instabilidade emocional. Para conviver e educar um adolescente, os pais devem manter a calma e saber fazer suas cobranças e dar seus conselhos de maneira a não ferir os sentimentos do jovem. Veja uma lista de 10 frases que não devem ser ditas para um adolescente e saiba qual a melhor forma de dizê-las.


Como você estuda assim?

O adolescente é capaz de estudar e trabalhar sob quaisquer condições. Diferentemente de adultos, ele não encontra dificuldades para, por exemplo, realizar os deveres na cama ou deitado no sofá. Às vezes, muitos deles acham essas posições mais cômodas e simples para o estudo do que se sentar em uma escrivaninha.

O que dizer? Não falar nada sobre as supostas más condições de estudo pode ser uma solução. Como eles não trabalham num escritório ou têm um chefe para lhe dar ordens, o adolescente tem todo direito de adotar a postura que lhe é mais adequada para o estudo. Os pais devem intervir sobre o modo e a posição de estudo caso os resultados escolares estejam abaixo do esperado. A ação, no entanto, deve ser sobre todo o processo de estudo e não apenas sobre o local onde o jovem prefere estudar.

Vá para o banho!

Os adolescentes, principalmente os mais novos, podem ser negligentes com sua higiene e evitar tomar banhos ou mesmo escovar os dentes. Porém, exigir que eles tomem banho, ainda mais na frente de outras pessoas, pode deixá-los irritados e com mais desejo de descumprir a ordem.

O que dizer? A melhor coisa a fazer é permitir que ele escolha escova, creme dental, xampu, sabonete e outros utensílios de banho. Ao lhe dar o poder de decisão sobre o que querem, você induz o jovem a querer tomar banho e escovar os dentes regularmente.

Já arrumou um(a) namorado(a)?

Questionar sobre as relações amorosas do adolescente é uma das piores decisões que pais e parentes podem tomar numa conversa com jovens dessa idade. Aliás, esse tipo de pergunta pode soar grosseiro com pessoas de qualquer faixa etária.

O que dizer? A atitude correta é deixar que o adolescente lhe procure se quiser discutir questões amorosas. Essa situação, aliás, varia de pessoa para pessoa e não há uma postura certa. Há aqueles que gostam de falar sobre cada detalhe com os pais e outros que preferem não comentar nada. Respeite a decisão deles.

Arrume seu quarto!

Não é segredo que a maioria esmagadora dos adolescentes vivem em meio a uma grande desordem em seus quartos. Alguns especialistas entendem que essa desorganização é um sinal da instabilidade vivida pelo jovem e que o fim desse período levará ao fim da grande bagunça nos quartos. A questão seria, assim, mais interna do que pirraça ou uma intenção clara de manter as coisas fora de lugar.

O que dizer? Peça gentilmente para que ele arrume o quarto, de preferência passando instruções precisas, como organize os papéis da mesa, guarde os sapatos e roupas no armário. Ser radical costuma não surtir efeito e levá-lo a desorganizar mais o quarto de maneira proposital. É importante também entender que boa parte dos jovens não se incomodam ou sequer notam que a bagunça reina no quarto. O correto é mostrá-lo como a desorganização atrapalha seu dia a dia e o ambiente da casa e ensinar pelo exemplo, deixando o resto da casa organizado e limpo.

Se você tivesse me escutado...

Ele sabe disso. Quando um adolescente erra, ele tem consciência do erro e que foi avisado dos riscos de suas atitudes. No entanto, lembrá-lo disso de maneira ríspida pode deixá-lo irritado e soar como provocação.

O que dizer? Nada. E isso também vale para a também famosa frase "eu te avisei". A atitude correta é deixar que o jovem reflita sobre os seus erros e perceba por conta própria que o seu conselho teria sido valioso. Aos poucos, ele passará a te dar mais ouvidos e, no futuro, vai lhe agradecer pelas recomendações.

Você vai sair assim?

O estilo do seu filho adolescente, das roupas e do cabelo, não lhe agrada? Bom, ele também pode não gostar do que você usa e é provável que você não se sinta bem caso ele faça esse tipo de pergunta para você. O gosto por algumas roupas e cortes de cabelo diz respeito apenas a ele e isso vale para pessoas de todas as idades.

O que dizer? Esse tipo de pergunta só pode ser feita em casos em que a roupa não parece adequada para o lugar onde ele está indo. Por exemplo, se o jovem estiver calçando sandálias e bermuda para ir a uma festa de 15 anos. Em situações em que o que não lhe agrada são as cores ou combinações, evite comentários e uma discussão desnecessária.

Seu rosto está cheio de espinha!

Adolescentes sofrem de acne mais do que qualquer outro grupo etário e isso com certeza lhe deixa chateado em diversas ocasiões. Lembrá-lo disso, ainda mais de modo ofensivo, não deve ser feito de jeito nenhum. As chances de brigas sérias por conta de uma questão natural do corpo de um adolescente (e que também não lhe agrada) são altas.

O que dizer? Comentários dessa natureza só devem ser feitos se você pretende recomendar uma consulta ao dermatologista para buscar formas de amenizar o problema. No mais, deixe claro que a acne é normal e relembre que você também passou por isso durante a adolescência.

Como estão as suas notas?

É evidente que os pais devem se inteirar e perguntar sobre o desempenho escolar do adolescente. No entanto, cobranças feitas de maneira brusca, principalmente se os resultados estiverem abaixo do esperado, são uma fonte frequente de discussões. O mesmo vale para a execução dos deveres.

O que dizer? O certo são os pais acompanharem o dia a dia de estudos e aulas do jovem, perguntando diariamente sobre as disciplinas e a relação com colegas e professores. Esse, aliás, é um dos deveres dos pais. Auxiliar seu filho com possíveis problemas em sua educação e orientá-lo da melhor forma possível, buscando ajuda externa em situações extremas.

Não posso confiar em você!

São raras as ocasiões em que um adolescente toma boas decisões ou que você lhe dá conselhos sem incidentes entre ambos. Apesar disso, dizer-se sem confiança nele é das falas mais controversas que um pai pode adotar, principalmente porque a perda de confiança é algo grave, que só deve ocorrer em situações extremas. A confiança é uma via de mão dupla. Se você não confia no seu filho, é bastante provável que ele também não confie em você e que ambos estão agindo de maneira errada.

O que dizer? Como já dito, a confiança é algo que se constrói tanto de sua parte para o adolescente quanto no caminho contrário. Aconselhe seu filho, dê bons exemplos e o auxilie todas as vezes que ele pedir. Só assim ele acertará mais, ganhando sua confiança e terá mais condições de confiar em você.

Siga o exemplo da sua irmã!

O comportamento ou o sucesso de um irmão ou irmã não deve servir de justificativa para que você cobre mais de outro filho adolescente. Cada pessoa tem suas particularidades, pontos fortes e fracos e lançar mão dessa frase pode fazer com que o jovem se sinta inferiorizado e menos amado pelos pais por não ser como o irmão-modelo. Além disso, ele pode se voltar contra o irmão, que nada tem a ver com isso.

O que dizer? Para manter um ambiente harmonioso entre os membros da família, é preferível evitar qualquer tipo de comparação entre irmãos. Cada um reage de maneira diferente aos estímulos dos pais e dos amigos e compreender o porquê disso é muito mais importante do que tentar um suposto padrão de comportamento para um deles baseado no outro.

Foto: © Olesya Kuznetsova - Shutterstock.com

Veja também

Publicado por Pedro.Saude. Última modificação: 29 de maio de 2017 às 09:27 por Pedro.Saude.
Este documento, intitulado 'O que não se deve falar para um adolescente', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.