Para que serve a sulbutiamina

Maio 2017

Derivado sintético da vitamina B1, conhecida como tiamina, a sulbutiamina é utilizada para combater problemas relacionados à fraqueza física e ao cansaço mental.


Indicações da sulbutiamina

Com propriedades estimulantes e indicada para tratar problemas relacionados ao cansaço físico, psíquico, intelectual e sexual, a sulbutiamina também é utilizada na recuperação de pacientes com problemas de doença arterial coronariana.

Dose de sulbutiamina

Geralmente, o paciente toma de dois a três comprimidos dessa substância por dia, durante quatro semanas, porém cada caso exige uma avaliação médica específica.

Sintomas de falta de vitamina B1

A falta de vitamina B1, combatida com sulbutiamina, é notada pela fraqueza, distúrbios emocionais, cãibra noturna nas pernas, formigamento das mãos e pés, sonolência, aumento de sensibilidade à dor, vômitos e nervosismo.

Sulbutiamina emagrece

Muitas pessoas fazem uso da sulbutiamina para emagrecer, pois essa substância, além de ser estimulante, reduz o apetite e, em alguns casos, o paciente pode acabar perdendo peso. No entanto, seu uso para estes fins não é recomendado por médicos.

Efeitos colaterais da sulbutiamina

Raramente ocorrem reações adversas a esse medicamento, porém os principais efeitos colaterais da sulbutiamina são agitação, reações alérgicas, tremores e dores de cabeça.

Contraindicações da sulbutiamina

Crianças e pacientes que possuam hipersensibilidade a um dos componentes da fórmula não devem ingerir a sulbutiamina. Pacientes com galactosemia, síndrome de má absorção de glicose e galactose ou deficiência de lactase devem ingerir o produto sob supervisão médica.

Foto: © mtphoto19 - Shutterstock.com

Veja também

Publicado por Natali.Saude. Última modificação: 6 de abril de 2017 às 14:12 por Pedro.Saude.
Este documento, intitulado 'Para que serve a sulbutiamina', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.