Sangramentos depois da menopausa

Junho 2017

Depois de entrar na menopausa, a mulher não deve mais sangrar. Caso isso ocorra, é importante procurar um médico especialista para identificar a causa do problema.


Como saber se uma mulher está na menopausa

A menopausa se define pela ausência de menstruações durante um ano completo. Em média, as mulheres chegam à menopausa a partir dos 50 anos e o intervalo normal para sua ocorrência vai dos 45 aos 55 anos.

Perimenopausa

A perimenopausa é o período que corresponde aos anos anteriores à entrada na menopausa. Neste período, que pode durar até 10 anos, ocorrem mudanças nos níveis hormonais da mulher capazes alterar a ovulação e os ciclos menstruais, que se tornam mais irregulares e podem até mesmo não ocorrer durante alguns meses.

Como saber se o sangramento é anormal

Qualquer tipo de sangramento vaginal após a menopausa é considerado anormal e exige uma visita ao ginecologista para análise das causas. Durante a perimenopausa, apenas algumas situações de sangramento devem ser levadas ao médico, tais como volume excessivo, duração acima do normal, ciclos de três semanas e sangramentos após relações sexuais ou entre as menstruações.

Ciclo menstrual e suas mudanças

Durante um ciclo menstrual normal, os níveis dos hormônios estrogênio e progesterona aumentam e diminuem dentro de um padrão regular. A ovulação ocorre na metade do ciclo e a menstruação se dá duas semanas depois. Já a partir da perimenopausa, a variação hormonal é inconstante, o que altera a frequência e intensidade das menstruações.

O que pode ser o sangramento na menopausa

Alguns fatores podem provocar sangramento em mulheres na menopausa. A determinação das causas só pode ser feita por um especialista.

Pólipos

Os pólipos geralmente são tumores não cancerosos formados por tecido semelhante ao do endométrio, que cobre o interior do útero. Os pólipos aderem à parede uterina e podem causar sangramento irregular ou intenso. Eles também podem se formar no canal do colo do útero e produzir sangramentos após as relações sexuais.

Atrofia endometrial

Depois da menopausa, o endométrio pode se tornar mais fino devido à queda nos níveis de estrogênio. Essa condição recebe o nome de atrofia endometrial e pode dar origem a sangramentos anormais.

Hiperplasia endometrial

Por outro lado, a hiperplasia endometrial torna o endométrio mais espesso devido ao aumento exagerado nos níveis de estrogênio. Em alguns casos, as células do revestimento mudam para um estado anormal. Nestes casos, o quadro recebe o nome de hiperplasia atípica e pode provocar câncer de útero.

Câncer de endométrio

O câncer de endométrio é o fator mais grave de promoção de sangramentos após a menopausa. Alguns fatores de risco estão associados à ocorrência desse tipo de câncer, tais como idade avançada, início precoce ou tardio da menstruação, não ter ficado grávida, períodos irregulares, histórico de infertilidade, obesidade, tabagismo, uso de medicamentos com doses elevadas de estrogênio a longo prazo e síndrome do ovário policístico. Além disso, mulheres com diabetes, hipertensão arterial, doenças da vesícula biliar ou da tireoide também têm maior risco de câncer de endométrio.

Reposição hormonal

Terapias hormonais substitutivas, bem como infecções no colo do útero e uso de certos medicamentos, também podem ocasionar sangramentos vaginais na menopausa.


Foto: © Roman Globa - Shutterstock.com

Veja também

Artigo original publicado por . Tradução feita por Pedro.Saude. Última modificação: 6 de abril de 2017 às 14:17 por CCM International.
Este documento, intitulado 'Sangramentos depois da menopausa', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.