Bulimia: consequências físicas e psicológicas

Setembro 2017

A bulimia nervosa é uma desordem ou transtorno alimentício que provoca necessidade de comer de forma compulsiva para depois forçar o vômito com o objetivo de eliminar do organismo tudo que foi ingerido. Além do transtorno, a bulimia é, antes de tudo, um problema de saúde mental que afeta a forma como o paciente percebe sua própria figura. Tanto a bulimia quanto a anorexia tem alta incidência em adolescentes, principalmente do sexo feminino.


Primeiras consequências da bulimia

Os vômitos frequentes fazem com que os ácidos estomacais entrem em contato com os dentes, provocando desgaste e podendo levar inclusive a sua queda. Além disso, as glândulas salivares se incham e a língua fica seca e mais vermelha.

O vômito em excesso também irrita a garganta, causando dores no momento de ingerir a comida, e provoca desidratação. A perda de líquidos, inclusive, também aumenta a frequência de casos de diarreia, gastroenterite e outros problemas intestinais.

Consequências físicas da bulimia

A bulimia nervosa origina alterações do ritmo cardíaco (arritmia, hipotensão e prolapso da válvula mitral) como consequência da carência de potássio no organismo devido aos contínuos vômitos e abuso de laxantes. A pressão sanguínea dos bulímicos é mais baixa que o habitual por conta da contínua desidratação.

Além disso, o esforço para provocar os vômitos causa o rompimento de pequenos vasos sanguíneos no rosto e pescoço que se tornam pontos vermelhos na pele. Também são comuns hemorragias na conjuntiva dos olhos. Por fim, alterações neurológicas também estão ligadas à bulimia. As mais comuns são atrofia cerebral e crises epilépticas.

Consequências de longo prazo da bulimia

Quando a bulimia dura muito tempo sem tratamento adequado podem surgir transtornos gastrointestinais importantes, úlceras no esôfago pela acidez do suco gástrico e calosidades nas mãos também provocado pela acidez que passa pelo dedo no momento de se forçar o vômito. Problemas renais vinculados à desidratação também podem ocorrer, bem como desequilíbrios hormonais que, nas mulheres, causam irregularidades menstruais.

Consequências psicológicas da bulimia

A necessidade de expulsar comida após as refeições gera sentimentos de insegurança, baixa autoestima e culpa entre os portadores de bulimia. A doença é especialmente perigosa em adolescentes pois os efeitos psicológicos tendem a ser mais intensos e provocar inclusive quadros de depressão. Abuso de drogas e tentativas de suicídio também ocorrem com maior frequência entre bulímicos, assim como fobias sociais e alterações de personalidade. Por fim, os bulímicos experimentam sensações de pânico e ansiedade e sofrem com distúrbios do sono.

Sequelas da bulimia

A bulimia apresenta sequelas pulmonares e estomacais. As primeiras são provocadas pela aspiração de alimentos ao vomitar que podem causar ronco crônico e infecções pulmonares. Já os problemas estomacais, como dilatação e rompimento do órgão, estão relacionados à ingestão excessiva de comida e o esforço para vomitar.

Foto: © Piotr Marcinski - Shutterstock.com

Veja também

Publicado por Pedro.CCM. Última modificação: 5 de setembro de 2017 às 11:17 por Pedro.CCM.
Este documento, intitulado 'Bulimia: consequências físicas e psicológicas', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.