Funchicórea: indicação e riscos

Dezembro 2017

A funchicórea é um medicamento fitoterápico que já causou algumas polêmicas entre pais e pediatras. Vendida em pó, ela é, geralmente, diluída em água ou aplicada diretamente na chupeta do bebê para aliviar cólicas.


Uso da funchicórea

Usado há mais de 70 anos, esse fitoterápico teve venda proibida em 2012 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com a justificativa de que não havia evidências científicas para comprovar sua eficácia. Em julho de 2013, no entanto, a empresa fabricante apresentou documentos comprovando que o princípio ativo da funchicórea não traz riscos à saúde e ele foi novamente liberado.

Ação da funchicórea

Com a funchicórea os bebês podem se acalmar, mas isso não significa que a cólica passou, já que, por conter sacarina, um tipo de adoçante artificial, desperta uma sensação de prazer na criança. Não há, por ora, comprovação científica de que a funchicórea seja realmente eficiente no combate efetivo à cólica em bebês.

Como usar a funchicórea

Em crianças com idade até 1 mês, deve-se usar 1 medida de 4/4 horas. Em bebês de 1 mês a 2 meses, o recomendável é 1 medida de 3/3 horas e nos pequenos de 2 meses a 6 meses, 2 medidas de 4/4 horas.

Efeitos da funchicórea

Há quem afirme que o produto tem efeito relaxante e sedativo, porém nada disso foi ainda confirmado cientificamente. O uso excessivo da funchicórea pode ser prejudicial, pois esse medicamento contém, em sua formulação, a sacarina, um adoçante artificial muito utilizado por quem tem diabetes, mas que não é indicado para bebês.

Foto: © Oksana Kuzmina - Shutterstock.com
Publicado por Natali_CCM. Última modificação: 27 de outubro de 2017 às 12:01 por Natali_CCM.
Este documento, intitulado 'Funchicórea: indicação e riscos', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.
Remédio para dor de ouvido
Rabdomiólise: sintomas e tratamento