Sexo tântrico: o que é e como praticar

Junho 2017

O tantra é uma tradição milenar indiana que, em sânscrito, significa expansão através da consciência. Na realidade, o tantra é uma técnica espiritual e uma filosofia de vida que utiliza a energia sexual para conseguir conectar-se consigo mesmo. O tantra é composto por práticas muito específicas de respiração, sons, movimentos e símbolos para ativar a energia sexual.


O que é o sexo tântrico

O sexo tântrico consiste na aplicação de técnicas do tantra no momento da relação sexual. O ponto-chave do tantra é a energia sexual que flui do centro do corpo para os órgãos genitais e percorre todo o organismo. O sexo tântrico também inclui exercícios de meditação e ioga para o praticante aprender a estimular esse percurso da energia pelo seu corpo e até o do parceiro. Esta prática de origem oriental não dá tanta importância à ejaculação, mas a permitir que o casal desfrute de cada momento da relação sexual. Recentemente difundido para o Ocidente, o sexo tântrico é ensinado de diferentes maneiras atualmente, com graus variados de ação.

Posições sexuais do sexo tântrico

O sexo tântrico se assemelha a uma dança. É preciso que haja coordenação, equilíbrio e variação quanto a quem conduz os movimentos. Durante uma sessão de sexo tântrico, carícias, beijos demorados, sussurros e olhares ocupam um lugar central. Enquanto o sexo convencional se baseia em preliminares e ejaculação, o tântrico tem como finalidade um prazer mais prolongado e sensorial.

O objetivo final do sexo tântrico é retardar ao máximo a chegada da ejaculação masculina para que a mulher obtenha o maior número de orgasmos possíveis. Não há posições específicas do sexo tântrico. A exceção é o abraço tântrico, no qual a mulher, sentada nos joelhos do homem, entrelaça seus braços e pernas ao corpo do parceiro. Também não há uso de brinquedos sexuais, privilegiando-se o contato corporal.

Orgasmo durante o sexo tântrico

Para o homem, a grande dificuldade do sexo tântrico reside em não ejacular durante o orgasmo. Apesar de parecer impossível à primeira vista, isso pode se dar a partir de exercícios de fortalecimento da musculatura do púbis, controle da respiração e prática da masturbação para descoberta do chamado ponto de não retorno. Desta forma, é possível retardar a ejaculação por horas e, consequentemente, prolongar a duração do ato sexual.

Como praticar sexo tântrico

Em primeiro lugar, recomenda-se praticar o sexo tântrico no chão ou sobre um edredom macio, pois na cama alguns movimentos são muito difíceis de realizar. Além disso, o sexo tântrico se baseia em quatro pontos fundamentais: viver o momento presente, aceitar a si mesmo e os demais, movimentos harmônicos com o parceiro e expressão total do que se sente e pensa.

Benefícios do sexo tântrico

O tantra é uma filosofia que vai muito além do sexo. Ele expande as possibilidade de amar e faz bem para a saúde (ensina técnicas de respiração e fortalece os músculos). O sexo tântrico também melhora a autoestima e dá mais vigor aos praticantes. Essa filosofia traz alívio para a ansiedade, previne a depressão e pode ser uma prática importante para sarar feridas do passado, como casos de abuso sexual e outras traumas de infância. Neste último caso, sua ação é complementar ao acompanhamento psicológico e, em situações específicas, uso de medicação.

Riscos do sexo tântrico

O sexo tântrico praticado sem conhecimento e precaução pode provocar transtorno de ejaculação retardada entre homens e perda de apetite sexual tanto no homem quanto na mulher. Sua realização de maneira adequada, por outro lado, não traz riscos diferentes daqueles inerentes a toda relação sexual.

Foto: © Valua Vitaly - Shutterstock.com

Veja também

Artigo original publicado por . Tradução feita por Pedro.Saude. Última modificação: 4 de maio de 2017 às 10:45 por Pedro.Saude.
Este documento, intitulado 'Sexo tântrico: o que é e como praticar', está disponível sob a licença Creative Commons. Você pode copiar e/ou modificar o conteúdo desta página com base nas condições estipuladas pela licença. Não se esqueça de creditar o CCM Saúde (saude.ccm.net) ao utilizar este artigo.