Estresse da infância acelera envelhecimento

Pedro.Saude - 4 de outubro de 2016 - 11:15

Estresse da infância acelera envelhecimento

Pesquisa mediu estruturas do DNA protetoras dos cromossomos cujo encurtamento está vinculado a doenças e maturidade celular

(CCM SAÚDE) — Dificuldades familiares e um alto nível de estresse vividos na infância podem acelerar o envelhecimento na idade adulta, segundo um estudo publicado nos Anais da Academia Americana de Ciências (PNAS, na sigla em inglês).



Para este estudo, que mediu o comprimento dos telômeros, que são estruturas do DNA protetoras dos cromossomos, seu encurtamento ao envelhecer está vinculado à maturidade celular e às doenças. Eles compararam a medida dos telômeros das glândulas salivares de 4.598 homens e mulheres de mais de 50 anos nos Estados Unidos, que responderam entre 1992 e 2008 a perguntas sobre as experiências traumáticas vividas ao longo de suas vidas.

Para o período prévio aos 18 anos, como situações estressantes foram consideradas as dificuldades financeiras no lar, o fato de a família ter sido despejada, o pai perder seu emprego ou um dos progenitores ser alcoólico ou dependente químico. Os participantes também informaram se apanharam, se foram agredidos sexualmente ou se tiveram problemas com a polícia durante a adolescência.

Liderada por Eli Puterman, da Universidade da Colúmbia Britânica, em Vancouver, no Canadá, a equipe da pesquisa constatou que a redução dos telômeros depois dos 50 anos aumentava 11% por cada experiência traumática vivida na infância.

A pesquisa também indica que é possível que as situações estressantes na infância tenham mais efeitos negativos na saúde que os fatores de estresse vividos na idade adulta.

Foto: © chaoss - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter