Novas descobertas sobre transplante de útero

Natali.Saude - 7 de outubro de 2016 - 10:44

Novas descobertas sobre transplante de útero

Expectativa é de que voluntárias se submetam, em seis meses, a tratamento para engravidar

(CCM SAÚDE) — Cirurgias experimentais de transplante uterino têm indicado avanços nesse sentido e são uma nova esperança para mulheres que não podem engravidar por razões diversas. Na América Latina, o primeiro transplante de útero foi realizado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e o mais curioso é que a doadora está viva.

No mundo, já foram feitas 18 cirurgias semelhantes a essa, porém, até agora, apenas cinco resultaram no nascimento de bebês. A identidade e a motivação das doadoras não foram divulgadas, porém sabe-se que elas têm entre 35 e 60 anos e foram escolhidas entre 50 voluntárias.

"Fiquei totalmente impressionado. Elas nos disseram: 'Nós tivemos nossa chance de nos tornarmos mãe e, agora, nosso útero não nos serve mais. Poderemos doá-lo para quem realmente deseja'", afirmou o cirurgião chefe, Giuliano Testa, à revista 'Time', que revelou a história com exclusividade.

Chefe do serviço de transplantes e professor da USP, Luiz Augusto Carneiro D’Albuquerque explicou que a equipe foi à Suécia aprender melhor sobre o procedimento. "Eles são os maiores especialistas em transplante uterino, já que cinco nascimentos resultaram das cirurgias que fizeram", disse.

Foto: © KonstantinChristian - Shutterstock.com

Siga o CCM Saúde no Twitter