Leite de marsupiais pode combater superbactérias

Natali.Saude - 20 de outubro de 2016 - 08:54

Leite de marsupiais pode combater superbactérias

Cientistas descobriram potentes peptídeos presentes no leite da fêmea do diabo da Tasmânia

(CCM SAÚDE) — O diabo da Tasmânia, marsupial que vive em uma ilha ao sul da Austrália, pode ser a solução para combater as cada vez mais mortais “superbactérias”. Segundo pesquisadores, proteínas presentes em seu leite podem ajudar a combater as bactérias resistentes aos antibióticos.



Segundo um estudo britânico recente, as superbactérias poderiam chegar a matar até 10 milhões de pessoas por ano em 2050, ou seja, serão tão mortais quanto o câncer.

Para tratar isso, cientistas da Universidade de Sydney descobriram peptídeos (elementos de base de uma proteína) presentes no leite da fêmea do diabo da Tasmânia que podem matar algumas superbactérias, entre elas o estafilococo dourado, resistente à meticilina, e os enterococos, resistentes ao poderoso antibiótico vancomicina.

"Os marsupiais têm mais peptídeos do que outros mamíferos. No diabo encontramos seis, enquanto os humanos têm apenas um peptídeo deste tipo", disse à AFP Emma Peel, pesquisadora da Universidade de Sydney.

"Outra pesquisa em outros marsupiais mostraram que os wallabies (espécie de canguru) têm oito destes peptídeos, e os gambás têm 12", disse Peel, acrescentando que também estão sendo realizados estudos com o leite dos coalas.

Agora, eles esperam que os peptídeos marsupiais possam eventualmente ser usados para desenvolver novos antibióticos para humanos que ajudem na batalha contra as superbactérias.

A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, alertou no mês passado que alguns cientistas estavam descrevendo o impacto das superbactérias como um "tsunami em câmara lenta" e que a situação era "ruim e (estava) ficando pior".

Foto: © Benny Marty - Shutterstock.com

Siga o CCM Saúde no Twitter