Cabecear bola afeta o cérebro e a memória

Pedro.Saude - 25 de outubro de 2016 - 09:48

Cabecear bola afeta o cérebro e a memória

Danos foram revertidos em 24 horas, mas há risco de problemas de longo prazo entre atletas

(CCM SAÚDE) — O cabeceio é uma das especialidades de muitos artilheiros do futebol, mas a prática traz riscos à saúde mental, aponta pesquisa da Universidade de Stirling, na Escócia. O experimento demonstrou que há perda significativa de memória após uma sessão de apenas 20 cabeceios. Os danos são revertidos em 24 horas de repouso.

Os resultados do trabalho são importantes. Um grupo de jogadores semiprofissionais cabeceou 20 vezes cada um. Antes e depois das sessões, eles passaram por testes de memória. Em média, a performance caía entre 41% e 67% após a sequência de cabeceios na bola. Os valores voltaram a se estabilizar apenas 24 horas após a sessão de finalizações.

A questão que os pesquisadores buscam determinar agora é quanto aos efeitos de longo prazo do cabeceio entre praticantes assíduos e profissionais do futebol.

"Ainda que as alterações tenham sido temporárias, nós acreditamos que elas sejam significativas para a saúde cerebral, principalmente se elas ocorreram repetidas vezes ao longo dos anos", aponta a professora Magdalena Ietswaart, à frente do experimento.

Foto: © Pixabay.
Siga o CCM Saúde no Twitter