Fumo passivo associado a risco de AVC

Pedro.Saude - 27 de outubro de 2016 - 10:45

Fumo passivo associado a risco de AVC

Não-fumantes expostos ao cigarro também têm prognóstico pior após superar caso de derrame

(CCM SAÚDE) — Fumar é um fator de risco para acidentes vasculares cerebrais (AVC). Além dos tabagistas, também estão em risco aumentado os chamados fumantes passivos, aqueles que se expõem à fumaça do cigarro por conta de um parente ou pessoa próxima que fuma. A conclusão é de uma pesquisa realizada na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

De acordo com o levantamento, que avaliou os dados de cerca de 28 mil indivíduos não-fumantes recrutados entre 1984 e 2012, aqueles que sofreram um derrame ao longo da vida tinham 50% mais probabilidade de terem sido expostos ao tabaco do que os pacientes sem histórico de AVC.

A pesquisa, liderada pela doutoura Michelle Lin, também mostrou que sobreviventes de um AVC que eram fumantes passivos apresentaram mortalidade maior - por qualquer causa - em comparação com os participantes livres da exposição à fumaça do cigarro. "O fumo passivo é um risco para todas as pessoas, mas aqueles com um histórico de AVC devem tomar cuidado adicional para evitá-lo", afirmou a cientista em entrevista à agência 'Reuters'.

O fumo passivo é, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a terceira maior causa de mortes evitáveis no mundo, atrás apenas do tabagismo e do consumo de álcool. Pesquisas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), fumantes passivos têm risco 30% maior de câncer de pulmão e 24% maior de infarto.

Foto: © vchal - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter