Vacina tem sucesso em remissão do HIV

Pedro.Saude - 10 de novembro de 2016 - 10:13

Vacina tem sucesso em remissão do HIV

Combinada com medicamento, imunização reduziu carga viral em primatas, segundo estudo

(CCM SAÚDE) — Uma vacina experimental contra o HIV apresentou resultados bastante positivos em estudo realizado no Centro Médico Beth Israel, nos Estados Unidos. Em testes com macacos, a imunização, combinada com uma droga estimulante do sistema imunológico, reduziu a carga viral do HIV sem necessidade do tratamento antirretroviral atualmente utilizado contra a Aids.

De acordo com o médico Dan Barouch, líder dos estudos, o objetivo da pesquisa, é encontrar uma cura funcional da infecção pelo HIV, que não erradique a doença, mas evite o uso de medicamentos por toda a vida do paciente. Para isso, os cientistas buscam formas de destruir o vírus que se mantém adormecido dentro das células e que, em geral, entram em ação em caso de interrupção do tratamento. "As drogas atuais salvam vidas, mas não curam, apenas mantém a doença sob controle. Queremos desenvolver estratégias de supressão viral de longo prazo sem antirretrovirais", diz ele.

No experimento, que teve suas conclusões publicadas nesta quinta-feira (10) na versão digital da revista científica 'Nature', 36 macacos foram infectados com vírus similar ao HIV e tratadas de maneira convencional por seis meses. Em seguida, foram divididos em quatro grupos que receberam a vacina, a droga estimulante, ambos ou nenhum dos tratamentos.

Aqueles que foram tratados com a combinação de terapias apresentaram os resultados mais positivos, tendo obtido resposta imune robusta, redução significativa da carga viral e, após a interrupção do tratamento, demoraram tempo duas vezes e meia maior para sofrer recidiva do vírus. Três dos macacos deste grupo passaram a contar com níveis indetectáveis do vírus no corpo. "Se todos tivessem ficado assim, seria um grande feito, mas é evidente que há um caminho promissor a trilhar", apontou Barouch.

Foto: © Jarun Ontakrai - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter