Vapor de cigarro eletrônico mata células da boca

Pedro.Saude - 22 de novembro de 2016 - 09:16

Vapor de cigarro eletrônico mata células da boca

Tecido epitelial facilmente destruído garante proteção do organismo contra uma série de infecções

(CCM SAÚDE) — Os cigarros eletrônicos, cada vez ganhando mais consumidores em todo o mundo, são alvo de muita polêmica. Para alguns, ele é uma forma de parar de fumar enquanto para outros algumas substâncias em sua composição podem ser bastante nocivas à saúde. Estudo recente da Universidade Laval, no Canadá, reforça a segunda tese ao mostrar que o vapor do produto mata importantes células da boca.

O experimento expõe células gengivais epiteliais ao vapor liberado pelos cigarros eletrônicos e inalado pelos usuários durante três dias. Já nas primeiras 24 horas, a quantidade de células na cultura havia sido reduzida em 18%, valor que alcançou 53% ao final dos três dias. Por outro lado, culturas não expostas ao vapor tiveram perda de apenas 2%.

"Ao contrário do que se possa pensar, o vapor dos cigarros eletrônicos não é apenas água. Apesar de não ter algumas substâncias encontradas em cigarros convencionais, como o alcatrão, essa fumaça expõe tecidos da boca e o trato respiratório a compostos danosos", aponta Mahmoud Rouabhia, autor da pesquisa.

As células gengivais epiteliais são muito importantes para a saúde pois são a primeira barreira do sistema imunológico contra diversos tipos de infecção, garantindo sobretudo que uma série de micro-organismo que vivem na boca tragam problemas. A destruição destas células pode aumentar o risco de doenças.

"Danos a essa barreira de defesa da boca podem elevar as probabilidades de infecções e inflamações, como quadros de gengivite, por exemplo. A longo prazo, também é possível que ocorra aumento no risco de câncer da cavidade bucal, algo que vamos estudar no futuro", completou o especialista.

Foto: © Marc Bruxelle - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter