Enxaqueca não é dor de cabeça; entenda

Natali.Saude - 22 de novembro de 2016 - 10:44

Enxaqueca não é dor de cabeça; entenda

É fundamental registrar crises e fatores que desencadeiam esse mal, que acomete mais as mulheres

(CCM SAÚDE) — Atualmente, 30 milhões de brasileiros sofrem com a enxaqueca. Segundo um estudo conduzido nos Estados Unidos, as mulheres que têm enxaqueca correm um risco muito maior de desenvolver doenças cardiovasculares como o infarto e o AVC, mas, ao contrário do que se pensa, enxaqueca não é dor de cabeça.



A enxaqueca é uma doença que pode tornar a pessoa incapacitada. Justamente por isso, ela deve ser tratada com muita seriedade e controle porque oferece muitos riscos às pessoas, principalmente mulheres que fazem uso e anticoncepcionais.

A enxaqueca é hereditária e, na maioria dos casos, a automedicação pode não render bons resultados. Para garantir um diagnóstico e tratamento eficazes, a dica é registrar as manifestações e crises em um caderno de anotações. Fatores como duração e horários predominantes, intensidade e localização da dor, sintomas acompanhantes, situações desencadeantes, entre outros, devem ser observados.

Outro cuidado é com a alimentação, que deve ser balanceada, com intervalos regulares entre uma refeição e outra. Deve ser evitado o uso de substâncias desencadeantes como a cafeína, além de manter uma rotina de sono, já que dormir pouco ou muito pode provocar crises.

Foto: © pathdoc - Shutterstock.com

Siga o CCM Saúde no Twitter