Ambientes urbanos não estão livres do barbeiro

Natali.Saude - 22 de novembro de 2016 - 11:35

Ambientes urbanos não estão livres do barbeiro

Especialistas alertam que inseto transmissor da doença está presente também em prédios residenciais

(CCM SAÚDE) — Comum em regiões rurais, o barbeiro, nome popular das 149 espécies conhecidas dos transmissores da doença de Chagas, foi detectado em um prédio residencial no estado de Roraima, na região Norte. Segundo uma pesquisa publicada na edição de novembro da revista ‘Memórias’, do Instituto Oswaldo Cruz, os habitantes das cidades não estão livres do vetor da doença.

Os cientistas encontraram espécimes de Triatoma maculata no nicho de um ar condicionado em um prédio residencial de Boa Vista, em Roraima. Agora, os insetos estão sendo analisados para verificar a infecção por Trypanosoma cruzi, o parasita que causa a doença de Chagas, segundo afirma Alice Ricardo-Silva, pesquisadora do Laboratório Interdisciplinar de Vigilância Entomológica em Díptera e Hemíptera do Instituto Oswaldo Cruz.

Além de Roraima, o Triatoma maculata foi detectado na Colômbia, Guiana, Suriname e Venezuela — nesse último país, é o segundo mais importante vetor de Chagas, depois do Rhodnius prolixus. "Havia relatos da existência do barbeiro nesse condomínio. Quando puxamos o tijolo do nicho do ar condicionado, estava cheio do inseto", conta. "E não é uma área periurbana; o condomínio fica numa rua importante de Boa Vista", observa. Em apenas um dos oito buracos do tijolo, havia 127 barbeiros.

Segundo Alice Ricardo-Silva, provavelmente a presença do barbeiro no local está associada a um ninho de pombos, construído no nicho. Em áreas rurais, ele também é detectado em galinheiros e currais. "Quanto mais próximo dos centros urbanos, mais próximo o inseto fica das pessoas", lembra.

Foto: © N. F. Photography - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter