Peixe com muito mercúrio é nocivo; veja lista

Natali.Saude - 30 de novembro de 2016 - 10:01

Peixe com muito mercúrio é nocivo; veja lista

Salmão, tilápia e sardinha são exemplos de peixes que contêm baixos níveis da substância

(CCM SAÚDE) — O peixe é um alimento amplamente recomendado nas dietas e traz inúmeros benefícios ao nosso corpo. Entretanto, alguns tipos de peixes e frutos do mar podem conter níveis de mercúrio prejudiciais à nossa saúde.



"Os peixes que têm maior concentração de mercúrio são os que estão no final da cadeia alimentar, e não é recomendável consumi-los mais do que duas vezes ao mês", disse à 'BBC' Andrei Tchernitchin, presidente do Departamento de Meio Ambiente da Escola de Medicina do Chile.

Segundo o especialista, o consumo em excesso de alguns peixes com altos níveis de mercúrio pode trazer problemas para os sistemas nervoso, digestivo e imunológico, além de afetar pulmões, rins e olhos.

"Os predadores (como os tubarões) comem outros organismos e absorvem os elementos contaminados que estavam em seu alimento. Por isso, os peixes grandes costumam ter mais mercúrio no organismo, porque já se alimentaram de muitos peixes pequenos que, por sua vez, absorveram o mercúrio que estava no plâncton."

Para quem deseja incluir o peixe em sua dieta, não há motivo para se preocupar, desde que sejam consumidos, pelo menos duas vezes por semana, os frutos do mar com baixa concentração de mercúrio, que são: anchova, bagre, moluscos, lagosta, ostra, salmão, sardinha, camarão, lula, tilápia, bacalhau, badejo, vieira e truta.

Peixes maiores, como tubarão, peixe-espada, agulha, cavala, corvina, bacalhau negro, robalo chileno e atum têm altas concentrações de mercúrio, ao passo que robalo riscado, carpa, tamboril e peixe-búfalo possuem concentrações menores da substância.

Foto: © ElenaGaak - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter