Quem depila pelos pubianos tem mais DSTs

Pedro.Saude - 7 de dezembro de 2016 - 06:28

Quem depila pelos pubianos tem mais DSTs

Quanto maior a frequência de depilações da região íntima, maior a incidência das doenças

(CCM SAÚDE) — O hábito de depilar a região íntima, tanto em mulheres quanto em homens, pode tornar a pessoa mais vulnerável a sofrer com doenças sexualmente transmissíveis, como sífilis e herpes genital. A conclusão é de estudo realizado pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos. Apesar dos resultados, os cientistas afirmam não serem capazes de assegurar uma relação de causa e efeito entre os dois fatores.



Ao todo, a pesquisa, publicada na revista científica 'Sexually Transmited Infections', ouviu 7.500 homens e mulheres de 18 a 65 anos. Ao todo, 74% deles indicou ter raspado os pelos pubianos ao menos uma vez no último ano (84% entre as mulheres e 66% entre os homens). A taxa de voluntários que se depila e sua frequência aumenta nas faixas etárias mais jovens, dizem os pesquisadores.

Em média, a prevalência de DSTs, como sífilis, herpes, gonorreia e clamídia, entre os participantes da análise foi de 13%. Entre aqueles que não se depilam, o nível cai para 8%. Por outro lado, esse número sobe a 18% entre os adeptos da depilação integral, que retira todos os pelos próximos ao pênis ou vagina.

Por conta desta correlação, os cientistas indicam que o ideal seria que as pessoas com hábito de se depilar aguardem alguns dias para a cicatrização da região íntima antes de terem relações sexuais. Isso porque provavelmente a abertura de pequenas feridas na pele favoreça a entrada de agentes causadores de doenças.

Foto: © Olinchuk - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter