Fumo passivo no trabalho cai mais de 30%

Pedro.Saude - 16 de dezembro de 2016 - 11:19

Fumo passivo no trabalho cai mais de 30%

Lei Antifumo completa cinco anos com redução também na exposição à fumaça em casa

(CCM SAÚDE) — O fumo passivo no ambiente de trabalho caiu 34,4% nos últimos cinco anos, aponta pesquisa do Ministério da Saúde. A queda - de 12,2% em 2011 para 8% em 2015 - é resultado da Lei Antifumo, que entrou em vigor há exatos cinco anos na última quinta-feira (15) e estabeleceu, entre outras medidas, a proibição do consumo de tabaco em locais completamente fechados como escritórios e restaurantes. Os dados são da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), maior levantamento de saúde do Brasil.

O Vigitel 2015 ouviu mais de 54 mil pessoas maiores de 18 anos nas 27 capitais do país. Entre elas, a queda mais acentuada se deu em Palmas, no Tocantins, onde o fumo passivo recuou 50,3%. Logo atrás, vêm Belo Horizonte (49%) e Porto Velho (48,9%). Por outro lado, Florianópolis (7%) e São Paulo (17,1%) tiveram as reduções mais modestas. Nenhuma capital registrou aumento do fumo passivo desde 2011.

Apesar de menor, também houve queda do fumo passivo em ambiente domiciliar. A redução entre 2011 e 2015 foi de 22,8%, saindo de 11,8% para 9,1%. Os mais afetados pela exposição à fumaça do cigarro em casa são os jovens de 18 a 34 anos sem distinção por sexo ou escolaridade.

A diminuição do fumo passivo faz parte de um movimento mais amplo de redução do consumo de cigarro em todo o Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, a queda de cerca de 30% no número de fumantes no país se deve, entre outros fatores, ao aumento do preço do maço de cigarros e a Lei Antifumo.

Foto: © Kenishirotie - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter