Não tomar banho e deitar: erros após exercícios

Natali.Saude - 27 de dezembro de 2016 - 10:56

Não tomar banho e deitar: erros após exercícios

Alguns hábitos afetam negativamente o desempenho das pessoas após treinos físicos

(CCM SAÚDE) — Um treinamento esportivo contempla diversas etapas e, ao contrário do que se pensa, ele não termina ao final da sua série de exercícios. Hábitos adotados por negligência ou falta de tempo afetam negativamente a prática de atividade física.

Juan Francisco Marco, professor do Centro de Ciência do Esporte e Alta Performance da Espanha, listou as piores práticas associadas ao exercício. Segundo ele, a primeira prática nociva é não se alongar após uma série.

"Isso se resolve basicamente com exercícios muito suaves de alongamento, que chamamos de 'alongamento de descarga', sempre com baixa intensidade", explica ele. "É melhor fazer cada alongamento por cerca de 15 a 20 segundos e, no máximo, dois movimentos diferentes por músculo", afirmou Marco à 'BBC Mundo'.

Outro erro é não tomar banho após a malhação. Além da questão de higiene, um banho estimula a circulação sanguínea, fortalece a pele e ajuda a lipólise, que é um processo metabólico realizado para queimar gordura. Banhos de água fria são ainda melhores.

Evitar se deitar após a prática esportiva também é outra medida recomendada. Um estudo recente sugere que uma rotina de exercícios, por mais vigorosa que seja, não consegue anular o efeito negativo causado pelo hábito de passar muitas horas sentado. Muito tempo no sofá, por exemplo, pode estimular doenças no coração. "É muito ruim para o corpo uma mudança tão drástica como saltar de um exercício intenso para a inércia total. É bom manter um mínimo de atividade para que o corpo desacelere pouco a pouco", diz o professor do centro de alto rendimento.

Não se agasalhar também pode trazer problemas. Isso pode afetar o organismo, que trabalha para se recuperar do esforço e pode dar sinais de baixa defesa para combater contaminações ou doenças. O melhor é usar casacos que mantenham o calor corporal e ir resfriando o corpo lentamente.

A hidratação é outro ponto fundamental. "Basta água ou qualquer bebida isotônica, que você pode tranquilamente fazer em casa", sugere o especialista, que também cita a importância da alimentação. O professor sugere o consumo proteínas de absorção rápida depois do exercício "para aproveitar que o músculo está mais contraído e tem mais irrigação sanguínea". Entre os alimentos desta categoria estão o atum e a soja. Para reabastecer os carboidratos sem culpa, recomenda-se alimentos com absorção média ou lenta, como arroz, massas ou cereais.

O último ponto que merece atenção após os treinos é a questão do tabagismo. Pode parecer óbvio dizer isso, mas acender um cigarro após os treinos multiplica os efeitos nocivos “porque todo o sistema respiratório estará mais aberto e todas as toxinas do tabaco entram com mais facilidade nos pulmões e no organismo”, enfatiza o professor.

Foto: © Edyta Pawlowska - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter