Veja por que a 2ª infecção por dengue dói mais

Natali.Saude - 30 de janeiro de 2017 - 11:11

Veja por que a 2ª infecção por dengue dói mais

É cada vez mais comum uma pessoa ser infectada pelo vírus mais de uma vez durante a vida

(CCM SAÚDE) — A segunda ou terceira infecção pelo vírus da dengue está cada vez mais comum. Especialistas achavam que isso se devia a uma falha no sistema imune do paciente, que poderia ser a responsável pelo fenômeno, porém, um estudo publicado na edição desta semana da revista 'Science', diz que um anticorpo produzido em excesso durante a nova infecção pode desencadear o problema.



Quando uma pessoa é infectada pela segunda vez, a ação de produzir anticorpos se repete mais rapidamente, mas, no caso de algumas doenças, como a dengue, as células de defesa podem falhar durante a segunda ativação para neutralizar a ameaça. Esse fenômeno é chamado de 'reforço dependente de anticorpos'.

Em laboratório, os pesquisadores analisaram anticorpos de pessoas hospitalizadas por terem contraído a doença pela primeira vez e de internadas enfrentando a segunda infecção. Os investigadores descobriram que os integrantes do segundo grupo tinham quantidade abundante de um anticorpo específico, diferentemente dos estreantes no tratamento contra a dengue.

Para os cientistas, o anticorpo encontrado em excesso pode ser o responsável por falhas no sistema de defesa, o que facilitaria a entrada e o avanço da doença. Celso Granato, infectologista e patologista clínico da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML), explica que o fenômeno observado é uma das grandes questões abordadas em pesquisas sobre a enfermidade tropical.

"Quando você tem dengue pela primeira vez, há 0,3% de chance de ocorrer uma forma grave da doença. Na segunda e na terceira vez, esse risco sobe para 3%. Algumas investigações que tentavam mostrar por que isso acontece foram feitas, mas nenhuma delas satisfatória", diz.

"O que esse estudo mostra é que esse anticorpo, produzido por algum motivo apenas em quem já teve contato com o vírus, funciona como um cavalo de troia. Ele se gruda no vírus, mas não o mata. E quando o sistema imune vê o anticorpo ligado ao vírus, acha que o micro-organismo está morto e não o ataca, ou seja, essa célula facilita a entrada da dengue no sistema", detalha Granato.

Foto: © Pressmaster - Shutterstock.com

Siga o CCM Saúde no Twitter