Criado teste para detectar câncer de pâncreas

Natali.Saude - 7 de fevereiro de 2017 - 09:22

Criado teste para detectar câncer de pâncreas

Grupo de cientistas anunciou exame que detecta precocemente um dos mais mortais tipos de câncer

(CCM SAÚDE) — Um novo teste de detecção precoce do câncer de pâncreas pode ajudar a combater um dos mais mortais tipo da doença, que costuma ser descoberta quando já está em estágio avançado e as chances de sobrevida são baixas.



Cerca de 80% dos pacientes que descobrem o câncer de pâncreas morrem no ano seguinte ao diagnóstico, porém, um estudo publicado nesta segunda-feira (6) pela revista científica 'Nature Biomedical Engineering', revela um teste econômico e ultrassensível que diagnostica precocemente o câncer de pâncreas com uma pequena quantidade de plasma sanguíneo.

"O câncer de pâncreas é um dos cânceres para o qual precisamos desesperadamente de um diagnóstico precoce", ressaltou o doutor Tony Hu, principal autor do estudo.

O teste que desenvolveu com seus colegas é baseado na detecção de um elemento específico – a proteína EphA2– em algumas vesículas extracelulares, pequenas bolhas transportadas de célula em célula. Essas vesículas desempenham um papel importante no desenvolvimento e no avanço de alguns cânceres, em especial no do pâncreas.

Atualmente já existe um elemento tumoral detectado, o CA 19-9, porém é pouco específico, uma vez que também pode ser encontrado em pequenas quantidades no fígado, na vesícula biliar e nos pulmões de um adulto saudável. O novo teste se mostrou claramente mais eficaz durante um estudo realizado com 48 pessoas saudáveis, 48 pacientes com pancreatite e 59 pacientes que sofrem de câncer de pâncreas em estado precoce ou avançado. Facilitou detectar mais de 85% dos cânceres.

De posse desses resultados, agora a equipe precisa desenvolver um estudo mais profundo antes de poder obter a autorização da agência americana de medicamentos (FDA), ou seja, "provavelmente daqui a dois ou três anos", segundo o doutor Hu.

Foto: © Liya Graphics - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter