Estudo mostra sinais antes de ataques cardíacos

Natali.Saude - 6 de março de 2017 - 09:42

Estudo mostra sinais antes de ataques cardíacos

Primeiros indícios foram ignorados em uma a cada seis pessoas, de acordo com pesquisa da Inglaterra

(CCM SAÚDE) — Um estudo realizado na Inglaterra aponta que os primeiros sinais de ataques cardíacos muitas vezes são ignorados pelas pessoas e pelos próprios médicos e, por isso, é fundamental saber identificá-los.

A pesquisa do Imperial College de Londres apontou que 16% das pessoas que morreram desse mal tinham sido internadas nos 28 dias anteriores e, em muitos dos casos, havia sinais como dores no peito. O estudo avaliou os registros hospitalares de 135.950 mortes causadas por ataques cardíacos durante quatro anos.

"Médicos são muito bons em tratar ataques cardíacos quando eles são a principal causa, mas não tratamos muito bem ataques cardíacos secundários ou sinais sutis que podem apontar para um ataque cardíaco que termine em morte num futuro próximo", disse Perviz Asaria, médico e autor principal do estudo.

Segundo os autores do estudo, sintomas como desmaio, falta de ar e dor no peito apareceram até um mês antes da morte em alguns pacientes. "Essa falha na detecção de sinais de alerta é preocupante. E esses resultados devem levar os médicos a serem mais vigilantes, reduzindo a chance dos sintomas se perderem e, em última análise, a salvar mais vidas", avalia Jeremy Pearson, diretor médico associado ao Instituto Britânico do Coração.

Um ataque cardíaco pode não apresentar os sintomas clássicos e aparecer na forma de dor torácica, com sensação de pressão e aperto no peito, dor que migra do peito para os braços, na mandíbula, pescoço, costas e abdômen, sensação de tontura, transpiração, falta de ar, náuseas, sensação extrema de ansiedade, bem como tosse ou chiado.

Em mulheres, idosos e pessoas com diabetes, o ataque cardíaco pode se manifestar com uma dor mais leve no peito, com sintoma semelhante a uma indigestão.

Foto: © stocky images - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter