Brasileiro prefere genitália feminina depilada

Pedro.Saude - 27 de março de 2017 - 07:30

Brasileiro prefere genitália feminina depilada

Dois terços dos homens e mulheres apontam preferência por depilação total dos pelos pubianos

(CCM SAÚDE) — Cerca de dois em cada três brasileiros têm preferência pela depilação integral da região genital feminina. O resultado é de pesquisa inédita realizada pela Universidade de São Paulo (USP) com 69.900 voluntários.



Ao todo, foram ouvidas 52.787 mulheres e 17.133 homens participaram do levantamento. Entre elas, 64,3% disseram preferir depilar-se completamente enquanto 62,2% dos homens apresentaram a mesma opinião. Por outro lado, apenas 2,65% delas e 2,46% deles defendem a ausência de depilação feminina.

Se os valores obtidos são semelhantes, as justificativas destoam. A maior parte das mulheres afirma preferir a depilação total por questões de higiene. Já entre o sexo masculino a beleza e a atração são os fatores que geram a preferência.

O gosto por uma região genital mais raspada também guarda relação com a idade dos entrevistados. Ela é maior entre os mais jovens e diminui conforme a idade dos voluntários. Para Maria Luiza Sangiorgi, autora da pesquisa e especialista em sexualidade, há uma tendência global pela depilação completa. "Talvez as mulheres mais velhas sejam menos influenciadas por essa tendência recente e mais influenciadas por uma anterior, de mais pelos", diz ela ao portal 'G1'.

O questionário também avaliou a relação entre nível de depilação e problemas de saúde. Apesar de haver uma ideia de ligação entre menos pelos e maior risco de infecções, as participantes não relataram um aumento de sintomas como corrimento e coceira. Entre as que se depilam integralmente, 34,9% não tiveram problemas. Os principais sintomas foram leves: vermelhidão e pelos encravados.

“Não observamos que a ausência de pelos influencie na aparição de sintomas. Talvez a técnica usada, aparelhos sem higienização influenciem, mas não constatamos que a ausência de pelos faça mal”, afirma Sangiorgi.

Foto: © Branislav Ostojic - 123RF.com
Siga o CCM Saúde no Twitter