AVC: separados, solteiros e viúvas têm mais risco

Natali.Saude - 4 de abril de 2017 - 09:49

AVC: separados, solteiros e viúvas têm mais risco

Pessoas com casamentos estáveis possuem menos chances de morrer após um derrame, diz pesquisa

(CCM SAÚDE) — Uma pesquisa conduzida na Universidade Duke, nos Estados Unidos, chegou à conclusão de que o risco de morte após derrame pode ser 71% maior para adultos que nunca se casaram na comparação com os que têm casamentos estáveis.



Publicado no 'Journal of the American Heart Association', o estudo sugere que pessoas que passaram por um divórcio ou ficaram viúvas têm, respectivamente, risco 23% e 25% maior de morrer devido a um AVC na comparação com as que ficaram casadas.

A pesquisa avaliou respostas sobre as datas de início e fim do casamento em questionários respondidos a cada dois anos. Foram envolvidos 2.351 pacientes que tiveram AVC entre 1992 e 2010. Mais da metade dos participantes - 1.382 pessoas - morreu no período do estudo. Eles eram, em geral, mais velhos, menos educados e com renda menor do que os sobreviventes, com maior probabilidade de não ter filhos, apresentar sintomas depressivos, fazer menos exercícios físicos e tomar remédios para hipertensão.

"Pode ser que o estresse agudo e crônico causado pela perda de um parceiro tenha um papel importante na mortalidade", diz o pesquisador Matthew Dupre, em entrevista ao 'Correio Braziliense'. "Suspeitamos também que a instabilidade matrimonial pode ter consequências negativas na regularidade ao tomar medicamentos, procurar serviços de saúde e outros comportamentos essenciais à recuperação", aponta ele.

A Federação Mundial do Coração (WHF, na sigla em inglês) aponta que cerca de 15 milhões de pessoas sofrem um derrame a cada ano. Dessas, 5 milhões acabam com sequelas permanentes e 6 milhões morrem. "O derrame mata cerca de 100 mil pessoas por ano no Brasil e fica em primeiro ou segundo lugar entre as causas de morte no país, dependendo do sexo", avalia Fausto Stauffer, diretor de pesquisas da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Foto: © Africa Studio - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter