Cordão umbilical pode combater o Alzheimer

Natali.Saude - 20 de abril de 2017 - 11:14

Cordão umbilical pode combater o Alzheimer

Teste em ratos abre caminho para a criação de remédio que evita degeneração dos neurônios

(CCM SAÚDE) — O mal de Alzheimer atinge cada vez mais idosos, mas os tratamentos para combater a doença não têm avançado com grande velocidade. Agora, descoberta de cientistas dos Estados Unidos pode ajudar na criação de um novo remédio.



No experimento, ratos idosos receberam injeções de plasma de cordão umbilical humano e, após alguns dias de tratamento, tiveram melhores resultados em testes de aprendizagem, memória e plasticidade sináptica (capacidade do cérebro de mudar e se adaptar a novas informações). O estudo foi publicado na revista 'Nature'.

"Estudos cerebrais mostraram que aspectos do envelhecimento cerebral podiam ser revertidos pela exposição a ‘sangue jovem’. Por isso, ficamos interessados em identificar quais moléculas eram responsáveis por esses efeitos surpreendentes", conta ao jornal 'Correio Braziliense' Joseph Michael Castellano, um dos autores do novo estudo e pesquisador da Universidade de Stanford.

"Nossos achados têm implicações para limitar o declínio cognitivo no envelhecimento e também no contexto de distúrbios neurodegenerativos, como a doença de Alzheimer. Estamos apenas começando a perceber que moléculas no sangue podem ser importantes para a forma como o cérebro responde ao envelhecimento e a doenças como a demência", complementa o autor.

Com essa descoberta, os cientistas buscam uma maneira de iniciar o tratamento contra o Alzheimer o quanto antes, haja vista que as doenças neurodegenerativas podem estar presentes 20 anos antes dos sintomas aparecerem e isso pode ser diagnosticado por meio de exames de imagem, que mostram a perda de proteínas como a beta-amiloide.

Foto: © goa novi - Shutterstock.com