Criado adesivo que protege do vírus da gripe

Natali_CCM - 28 de junho de 2017 - 15:16

Criado adesivo que protege do vírus da gripe

Adesivo composto por microagulhas tem o mesmo potencial que a vacina da influenza

(CCM SAÚDE) — Estudo conduzido pela Universidade de Emory, nos Estados Unidos, revelou uma nova maneira de prevenir a epidemia do vírus da gripe sem precisar vacinar a população.

Em estudo com 100 voluntários, um adesivo com migroagulhas, que pode ser autoadministrável, mostrou-se tão eficiente quanto a vacina tradicional da influenza. Este adesivo de pele, semelhante a um band-aid, contém 100 microagulhas medindo 650 micrômetros de altura e passou no primeiro teste, publicado na revista médica 'The Lancet'.

Segundo os pesquisadores, este é o primeiro adesivo dissolvível, termoestável e que pode ser aplicado pela própria pessoa. "Esses avanços podem reduzir o custo da vacinação da influenza e aumentar o acesso à vacina, elevando, portanto, a cobertura da vacinação e da proteção", diz a pesquisadora Nadine Rouphael, da Faculdade de Medicina da Universidade de Emory.

"Apesar da recomendação de uma vacinação universal, o influenza continua a ser uma importante causa de doença, levando a índices significativos de morbidade e mortalidade. Ter a opção de uma vacina que pode ser facilmente autoadministrada, sem dor, pode aumentar a cobertura e a proteção dessa importante imunização", completa.

Os benefícios desse adesivo em relação à vacina tradicional são a ausência de efeitos colaterais e manutenção da potencialidade das vacinas dos adesivos mesmo após um ano sem refrigeração.

"Tradicionalmente, para ser vacinado contra influenza, você precisa visitar um profissional de saúde, que vai administrar a vacina, usando uma agulha hipodérmica. A vacina é estocada no refrigerador e deve ser descartada de maneira segura. Com o adesivo, você poderia comprá-lo na farmácia e aplicar em casa, deixá-lo na pele por alguns segundos, arrancar e jogar no lixo, porque as agulhas já estariam dissolvidas. Como os adesivos podem ser armazenados em qualquer lugar, você poderia, inclusive, mandá-los pelo correio para outras pessoas", explica a cientista.

Foto: © Anastasiia Malysheva - 123RF.com