Aspirina diária reduz risco de pré-eclâmpsia

Pedro.CCM - 29 de junho de 2017 - 08:38

Aspirina diária reduz risco de pré-eclâmpsia

Dose baixa do medicamento para gestantes diminui em mais de 60% o risco de parto prematuro

(CCM SAÚDE) — Uma dose diária de aspirina pode ser o suficiente para reduzir o risco de pré-eclâmpsia entre grávidas com tendência a desenvolver o problema, aponta estudo do King's College London, no Reino Unido.

De acordo com Kypros Nicolaides, especialista em medicina materno-fetal, a prescrição de uma dose baixa do medicamento para gestantes que têm maior risco de pré-eclâmpsia foi capaz de reduzir em 62% as chances de parto prematuro entre esses bebês.

O trabalho da equipe de Nicolaides avaliou 26.941 mulheres durante o primeiro trimestre de gravidez em 13 hospitais espalhados pela Europa. Ao todo, 1.776 foram diagnosticadas com alto risco de pré-eclâmpsia e receberam 150 miligramas de aspirina diariamente ao longo de até 14 semanas.

A partir dos resultados do estudo, a principal recomendação dos pesquisadores é por melhores e mais generalizados métodos de diagnóstico do risco de pré-eclâmpsia já que, segundo eles, medidas simples no período inicial de gestação impactam de maneira significativa sobre o prognóstico do feto.

A pré-eclâmpsia é uma condição muitas vezes grave que se caracteriza por, entre outros sintomas, aumento da pressão arterial da grávida. Sua ocorrência pode acarretar parto prematuro e outras complicações - certas vezes fatais - para a mãe e o bebê. Mulheres em sua primeira gestação têm risco aumentado de pré-eclâmpsia, bem como diabéticas, obesas e hipertensas.

Foto: © Evgeny Atamanenko - Shutterstock.com