Longas horas de trabalho elevam risco cardíaco

Pedro.CCM - 14 de julho de 2017 - 08:28

Longas horas de trabalho elevam risco cardíaco

Estudo relaciona trabalhar mais de 55 horas por semana a casos de fibrilação atrial

(CCM SAÚDE) Pessoas que têm jornadas de trabalho prolongadas apresentam maior risco de fibrilação atrial, condição cardiovascular que altera o ritmo do coração. A conclusão é de uma pesquisa da Universidade de Londres, no Reino Unido.



O estudo, realizado com cerca de 85 mil profissionais do Reino Unido, Dinamarca, Finlândia e Suécia ao longo de dez anos, demonstrou que aqueles que permaneciam no trabalho 55 horas ou mais por semana tiveram mais casos de fibrilação atrial ao final do experimento que o grupo-controle, que trabalhava entre 35 e 40 horas.

Ao todo, 12,4% dos voluntários foram diagnosticados com a doença em algum momento do estudo. No grupo de jornada mais longa, no entanto, a proporção chegou a 17,6%, valor quase 50% mais elevado. Além disso, a pesquisa mostrou que os participantes que mais trabalhavam durante a semana eram também mais obesos, fumavam e bebiam mais e tinham pressão arterial mais elevada.

A fibrilação atrial é uma condição que se manifesta principalmente por quadros de palpitação e falta de ar. Entre outras complicações, sua ocorrência aumenta em cinco vezes o risco de um acidente vascular cerebral (AVC).

Foto: © gstockstudio - 123RF.com