Cientistas apagam doença com edição genética

Pedro.CCM - 3 de agosto de 2017 - 09:32

Cientistas apagam doença com edição genética

Feito inédito curou cardiomiopatia hipertrófica, que é transmitida para descendentes em 50% dos casos

(CCM SAÚDE) — Cientistas dos Estados Unidos e Coreia do Sul conseguiram feito inédito na biologia: conseguiram apagar uma doença cardíaca hereditária de embriões via edição genética. A façanha foi divulgada nesta quarta-feira (2) na revista 'Nature'.



A realização, que utilizou a técnica CRISPR-Cas9, uma das mais reconhecidas no ramo da edição genética, corrigiu uma mutação responsável por causar a cardiomiopatia hipertrófica, uma condição silenciosa que vitima principalmente jovens adultos e é transmitida aos descendentes do portador em 50% dos casos.

Com a alteração, o ser humano que poderia ser formado a partir deste embrião estaria livre da doença, bem como toda a sua linhagem. Ainda é muito cedo, no entanto, para imaginar essa técnica sendo usada, pondera Juan Izpisua Belmonte, autor do estudo.

"Finalmente estamos começando a atuar sobre mutações causadoras de doenças, o que poderia impactar a vida de milhões de pessoas. Mas devemos seguir ainda com muito cuidado e atenção a considerações éticas, apesar dos resultados preliminares terem sido seguros e efetivos", afirma o pesquisador.

Segundo os cientistas, procedimentos de edição genética como o realizado neste estudo poderiam ser implementados principalmente em técnicas de fertilização in vitro para garantir que o bebê nasça livre de condições congênitas ou hereditárias.

Foto: © Sergey Nivens - 123RF.com