Brasil reduz fumo passivo caseiro em 42%

Pedro.CCM - 30 de agosto de 2017 - 13:51

Brasil reduz fumo passivo caseiro em 42%

Redução obtida nos últimos oito anos coloca país em grupo seleto que alcançou meta da OMS

(CCM SAÚDE) — O Brasil conseguiu reduzir a incidência de tabagismo passivo nas casas em 42% nos últimos oito anos. Os dados são do Vigitel 2016, divulgados nesta terça-feira (29) pelo Ministério da Saúde e Instituto Nacional do Câncer (Inca).



Segundo a pesquisa, realizada por telefone em todas as unidades da federação, a proporção de fumantes passivos dentro dos lares brasileiros caiu de 12,7% para 7,3% entre 2009 e 2016. O menor índice é registrado em Aracaju (5,1%) enquanto o maior está em Porto Alegre (10,4%).

Os bons resultados colocam o Brasil no grupo seleto de oito países reconhecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por terem conseguido alcançar suas metas de redução do tabagismo. Entre eles estão Reino Unido, Turquia, Panamá e Irã.

O estudo também mostrou queda na prevalência de fumantes em todo o país da ordem de 35% entre 2006 e 2016. A taxa, que era de 15,7% há 11 anos, chegou a 10,2% no ano passado. A redução, constante no período, foi acelerada a partir de 2011, quando se iniciou a política de aumento de impostos sobre o cigarro e derivados.

Outra boa notícia presente nos dados da pesquisa foi a redução nos últimos anos da experimentação de cigarro por adolescentes. Entre estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental, o nível de experimentação passou de 24,2% em 2009 para 19% em 2015. O consumo, analisado com base nos 30 dias anteriores à sondagem, também caiu - de 6,3% para 5,4%, o equivalente a 32.083 alunos.

Atualmente, o tabagismo é responsável por 12,6% das mortes no país. Em 2015, 156.216 pessoas morreram por conta do cigarro, sendo que 17.972 em decorrência do fumo passivo. Este número equivale a cerca de 50 óbitos por dia. Para reduzir ainda mais esses números, o ministério defende o aumento em 50% dos preços de cigarro e a proibição do uso de aditivos nos produtos, tema em discussão no Supremo Tribunal Federal (STF).

Foto: © marcbruxelle - 123RF.com