Técnica melhora previsão do câncer de mama

Pedro.CCM - 10 de outubro de 2017 - 08:00

Técnica melhora previsão do câncer de mama

Teste avalia 18 mutações genéticas envolvidas no surgimento da doença para apontar necessidade de cirurgia

(CCM SAÚDE) — Cada vez mais mulheres recorrem a testes genéticos para saber seu risco de desenvolver câncer de mama. Agora, técnica desenvolvida no Reino Unido promete tornar essa análise ainda mais precisa.



A busca pelo exame, que originalmente avalia apenas a presença dos genes BRCA1 e BRCA2, cresceu em todo o mundo após a atriz Angelina Jolie ter realizado mastectomia das duas mamas após diagnóstico de que tinha 87% de risco da doença, responsável pela morte da sua mãe.

O novo método, criado por pesquisadores de dois hospitais de Manchester, aumenta o espectro de análise para tornar o resultado mais preciso. Ao todo, 18 mutações genéticas, incluindo as duas anteriores, são buscadas. Com isso, pacientes que antes seriam enquadradas em grupos de alto risco da doença passaram categoria de baixo risco.

Desta forma, os cientistas imaginam que será possível reduzir o número de mastectomias realizadas, um procedimento que traz riscos à saúde e também pode afetar a autoestima de muitas mulheres. Em média, a taxa de pacientes com histórico familiar de tumores no seio a passar pela cirurgia pode cair de 50% para 36%.

No Brasil, o exame de BRCA não está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas desde 2014 ele tem cobertura obrigatória pelos planos de saúde, segundo resolução da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Apenas pacientes com fatores de risco da doença devem realizar o teste.

Foto: © Syda Productions - Shutterstock.com