Vacina poderia evitar 100 mil mortes de bebês

Pedro.CCM - 6 de novembro de 2017 - 10:25

Vacina poderia evitar 100 mil mortes de bebês

Bactéria estreptococo B teve seu impacto sobre a saúde de fetos e bebês descrito recentemente

(CCM SAÚDE) — O desenvolvimento de uma vacina contra a bactéria do tipo estreptococo B pode prevenir a morte de 100 mil bebês em todo o mundo, afirmam cientistas da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, no Reino Unido.



Segundo o levantamento dos pesquisadores, 21 milhões de gestantes, ou seja, uma em cada cinco mulheres esperando um filho, estão infectadas por essa bactéria. Enquanto sua presença no aparelho digestivo da grávida não traz problemas para ela, a transmissão para o feto pode ser fatal.

O estudo aponta que ocorrem, por ano, 410 mil casos de infecção pelo estreptococo, com cerca de 150 mil mortes de fetos e bebês. A criação de uma vacina contra essa bactéria, que seria aplicada nas gestantes, permitiria evitar dois terços das mortes anuais de crianças.

Atualmente, mulheres com acesso a técnicas de prevenção do problema recebem antibióticos contra a bactéria quando a infecção é diagnosticada. No entanto, os cientistas afirmam que esse método é inviável em países pobres, além de não evitar fetos natimortos e contribuir para a resistência a antibióticos.

"A vacina é a saída. Mas ela está em desenvolvimento, ainda restam cerca de cinco anos até poder ser usada. O processo de liberação de uma vacina precisa ser acelerado e a Organização Mundial da Saúde (OMS) já está agindo nessa direção", afirma Joy Lawn, uma das autoras do trabalho ao jornal britânico 'The Guardian'.

Foto: © gajus - 123RF.com