Uso excessivo de celular compromete neurônios

Natali_CCM - 5 de dezembro de 2017 - 09:34

Uso excessivo de celular compromete neurônios

Estudo conduzido com jovens indica que os mais dependentes têm depressão, ansiedade e insônia

(CCM SAÚDE) — É cada vez mais difícil encontrar alguém em qualquer ambiente que não esteja de olho na tela do celular. Especialmente os jovens, que, em grande parte, sofrem de nomofobia, ou seja, medo de ficar longe do aparelho.



Pensando nisso, cientistas da Universidade de Seul, na Coreia do Sul, estudaram um grupo de 19 jovens, com média de idade de 15,5 anos e dependência de Internet e/ou smartphones, e outros 19 adolescentes que não tinham esse problema.

Após uma série de estudos e pesquisas descobriu-se que os adolescentes dependentes de celular tinham mais níveis de depressão, ansiedade, insônia e impulsividade - tudo isso foi descoberto por um exame chamado espectroscopia por RNM, um tipo de ressonância magnética que mede a composição química do cérebro.

Os resultados do exame no grupo com vício em smartphones indicaram que eles tinham uma alteração na região que controla as emoções no cérebro. "Essa associação foi significativamente correlacionada às escalas clínicas de dependência em Internet e smartphone, além de depressão e ansiedade", diz Hyung Suk Seo, que apresentou um trabalho sobre o estudo no congresso anual da Sociedade Radiológica da América do Norte.

Tal problema pode resultar em perda da integração funcional e da regulação do processamento dos neurônios na rede celular associada às emoções e à cognição. A boa notícia é que terapias cognitivas-comportamentais podem normalizar essas perdas.

Foto: © andreypopov - 123RF.com