Alta poluição afeta cérebro e pulmão de bebês

Natali_CCM - 7 de dezembro de 2017 - 10:09

Alta poluição afeta cérebro e pulmão de bebês

Relatório da Unicef indica que cerca de 17 milhões de bebês respiram ar poluído em todo o mundo

(CCM SAÚDE) — O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) alertou para os riscos que milhões de bebês correm ao serem expostos a índices muito altos de poluição diariamente, enfatizando os danos cerebrais e pulmonares sobre os pequenos.



Em um relatório, a entidade destacou que cerca de 17 milhões de bebês vivem em locais onde a poluição é seis vezes maior do que os limites consideráveis, o que ameaça o desenvolvimento dessas crianças.

"As substâncias contaminantes não só danificam os pulmões em desenvolvimento dos bebês, mas também podem causar lesões permanentes em seus cérebros e, portanto, prejudicar seu futuro", afirmou Anthony Lake, diretor-executivo da organização.

Em geral, os locais mais poluídos do mundo se concentram no sul da Ásia, onde também há riscos ambientais como falta de água potável e de condições sanitárias adequadas. O extremo Oriente e a região do Pacífico também concentram bebês com alto risco.

O estudo indica que as partículas ultrafinas de poluição penetram na corrente sanguínea e danificam a barreira entre o sangue e o cérebro - algo muito perigoso em bebês, que estão em desenvolvimento. O resultado dessa exposição pode ser a dificuldade de comunicação entre os neurônios, bem como o surgimento de doenças neurodegenerativas.

Foto: © Wang Tom - 123RF.com