Falta de vitamina D aumenta risco de esclerose

Joana.Saude - 29 de agosto de 2015 - 16:16

Falta de vitamina D aumenta risco de esclerose

Descoberta pode ajudar a melhorar os tratamentos e fornecer caminhos para mais pesquisas sobre prevenção da esclerose múltipla

(CCM SAÚDE) - Pesquisa genética realizada na Universidade McGill, no Canadá, e publicada na última edição da revista especializada 'PLOS Medicine' mostrou que há uma ligação entre baixos níveis de vitamina D e risco de sofrer esclerose múltipla.

A associação genética entre ambos os fatores foi investigada em uma população de aproximadamente 30 mil pessoas - 14.498 tinham esclerose múltipla e 24.091 indivíduos eram saudáveis. A equipe de pesquisadores, liderada pelo cientista Brent Richards, mostrou que os indivíduos com baixos níveis de vitamina D têm risco redobrado de desenvolver a doença.

"É uma descoberta muito importante. Se um bebê nasce com genes associados a uma deficiência de vitamina D, ele pode ter duas vezes mais risco de ter esclerose múltipla quando se tornar adulto", diz Benjamin Jacobs, diretor do Serviço de Crianças do Hospital Real Ortopédico de Londres.

Outros estudos já haviam apontado para a ligação entre os níveis de vitamina D - obtida por meio da exposição à luz solar e ingestão de alimentos como atum, leite e iogurte, e a esclerose múltipla. No entanto, havia apenas indícios de que as pessoas doentes possuíam a tendência a ficar mais tempo em casa e, assim, estarem menos expostas ao sol e os resultados não eram comprovatórios.

Os pesquisadores alertam que ainda não é possível concluir que o consumo da vitamina D ajude a prevenir a doença, mas os resultados indicam para novas pesquisas para verificar essa possibilidade.

A esclerose múltipla é uma doença autoimune crônica do sistema nervoso central que afeta o cérebro e a medula espinhal, afetando a capacidade de controlar funções como caminhar, enxergar, falar, urinar, entre outros. A esclerose múltipla atinge 2,3 milhões de pessoas em todo o mundo, e cerca de 35 mil pessoas no Brasil.

Foto: © Pixabay.