Idosos são mais eficientes com memória factual

Joana.Saude - 29 de outubro de 2015 - 18:19

Idosos são mais eficientes com memória factual

Mais velhos resistiram mais a efeito psicológico que atrapalha solução de erros

(CCM SAÚDE) - Um estudo realizado pela Universidade Columbia, nos Estados Unidos, revelou que nem todas as funções cerebrais são prejudicadas com o passar dos anos. De acordo com os resultados da pesquisa, publicada na revista 'Psychological Science', a capacidade dos idosos de corrigir os próprios erros é superior a dos jovens.

"Os resultados mostraram não só que os adultos mais velhos tinham melhor desempenho em uma tarefa de informações gerais que testava seu conhecimento factual, mas também que eles corrigiam seus erros melhor que os adultos jovens", afirmaram os autores do estudo.

No experimento, 89 voluntários - 44 com aproximadamente 25 anos de idade e 45 na faixa de 75 anos - responderam questões divididas em duas etapas. Na primeira, indivíduos de ambos os grupos responderam questões de conhecimentos gerais e declararam, utilizando uma escala de 0 a 7 que indicava uma variação de muito a pouco, o quão convictos estavam da resposta. Na segunda, responderam apenas perguntas que eles haviam errado na etapa anterior.

Já se esperava que na primeira etapa os idosos poderiam ter um melhor rendimento, devido à experiência e conhecimentos adquiridos. O que de fato aconteceu. Mas, o resultado da segunda etapa que era o foco dos cientistas, que queriam saber se os idosos seriam capazes de corrigir seus erros com mais eficiência que os jovens. A ideia era avaliar a premissa existente de que os jovens aprendem com mais agilidade, o que seria comprovado se eles se saíssem melhor na segunda etapa.

Mas os resultados surpreenderam: os idosos conseguiram as respostas certas para 41% das perguntas, enquanto os adultos jovens acertaram apenas 26%. Segundo explica os pesquisadores, os idosos não se deixaram contaminar pelo efeito da hipercorreção - corrigir respostas dos quais estavam seguros - e deram tanta atenção para seus erros de baixa confiança quanto para os de alta confiança.

"Os adultos mais velhos foram capazes de reunir seus recursos de atenção para aprender as respostas corretas independentemente da convicção original de seus erros e a despeito de sua familiaridade com as respostas", afirmaram os pesquisadores.

Foto: © Pixabay.