Consumo de Rivotril dispara em oito anos

Pedro.Saude - 5 de novembro de 2015 - 08:49

Consumo de Rivotril dispara em oito anos

Substância para tratar quadros de ansiedade é o tarja preta mais vendido do país e sexto no ranking geral

(CCM SAÚDE) - Levantamento realizado pela IMS Health, empresa que audita o mercado farmacêutico brasileiro, revelou que o consumo de Rivotril (clonazepan), medicamento para tratar transtornos de ansiedade fabricado pela Roche, disparou nos últimos oito anos. De setembro de 2014 a agosto de 2015, 23 milhões de caixas do remédio foram vendidas em todo o país. Em 2007, esse número era de apenas 29 mil caixas. Os cálculos foram feitos a pedido da revista 'Carta Capital'.

O clonazepan, princípio ativo do Rivotril e de medicamentos de outras marcas, também é, segundo dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o remédio tarja preta, que tem venda controlada pelo risco de causar dependência, mais vendido no Brasil. Entre todos os remédios, o Rivotril é o sexto com mais vendas.

O crescimento acentuado das vendas de Rivotril no país mostra que seu uso tem sido banalizado, defende o psiquiatra Plinio Luiz Montagna. Para ele, o efeito rápido da droga faz com que muitos médicos receitem a doença de maneira indiscriminada. "Podemos combater os sintomas, mas sem dar atenção às origens deles, o que pode mascarar quadros de depressão e psicose, nos quais o tratamento deve ser diferente", explica o especialista à 'Carta Capital'.

Além disso, Montagna alerta para os riscos que o uso prolongado da medicação podem ter sobre a saúde do paciente. De acordo com o médico, muitos pacientes acabam condicionando sua tranquilidade ao uso do remédio, com efeitos severos. "Para que ele siga fazendo efeito, é preciso ir aumentando a dose cada vez mais e depois quando o médico resolve tirar o medicamento o paciente corre risco de sofrer com crises de abstinência", aponta.

Foto: © Creative Commons - Flickr: Monique Nascimento.