Cocaína faz organismo 'comer' o cérebro

Pedro.Saude - 19 de janeiro de 2016 - 11:02

Cocaína faz organismo 'comer' o cérebro

Naturalmente benéfico, processo de autofagia foge do controle com uso da droga e destrói partes importantes das células cerebrais

(CCM SAÚDE) - O consumo de grande quantidade de cocaína leva o organismo a 'comer' as células cerebrais, afirmam pesquisadores da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em estudo realizado com ratos, os cientistas demonstraram que uma alta concentração da droga sintética no corpo faz com que o processo natural de autofagia fuja de controle, fazendo com que partes essenciais das células cerebrais, como as mitocôndrias, sejam destruídas pelo organismo.



A autofagia é um processo químico natural do organismo e benéfico quando controlado. Ele atua como um lixeiro, degradando resíduos celulares que não interessam ao corpo a partir de ação enzimática. Porém, quando a cocaína entra na corrente sanguínea, estas enzimas começam a atacar partes vitais das células. As mitocôndrias, por exemplo, são as responsáveis por produzir energia para as células.

Durante os experimentos, que tiveram seus resultados publicados na revista 'Proceedings of the National Academy of Sciences', os pesquisadores também demonstraram que o processo descontrolado de autofagia também se dá em ratos cujas mães receberam cocaína durante a gravidez, o que comprova os riscos do consumo da droga por gestantes já explicitado em outros estudos.

Os pesquisadores também ministraram tratamento aos ratos que receberam cocaína a partir do medicamento experimental CGP3466B, que vem sendo testado para a prevenção ao mal de Parkinson. A droga conseguiu proteger as células nervosas dos efeitos da cocaína. "Abre-se uma chance de conseguirmos desenvolver terapias voltadas para suprimir a toxicidade da cocaína", explica ao jornal inglês 'The Guardian' o pesquisador Maged Harraz, co-autor do trabalho.

Foto: © Fotolía.