Dormir mal prejudica saúde mental e física

Natali.Saude - 6 de abril de 2016 - 10:23

Dormir mal prejudica saúde mental e física

Problemas do sono são considerados uma epidemia global, atingindo 45% das pessoas no mundo

(CCM SAÚDE) — Dados da Associação Mundial de Medicina do Sono (WASM, na sigla em inglês) apontam que cerca de 45% da população mundial tem problemas de sono, fato que ameaça seriamente sua saúde e qualidade de vida, já que, segundo a entidade, dormir bem é um dos três pilares para se ter uma boa saúde, ao lado de uma dieta equilibrada e exercícios regulares.



Uma noite de sono considerada "boa e proveitosa" requer, no mínimo, de sete a nove horas de duração do sono, que não deve ter interrupções e precisa ser profundo, para oferecer propriedades restaurativas.

Segundo uma pesquisa conduzida pela Sociedade Real de Saúde Pública da Espanha, quem tem privação de sono possui risco aumentado de ter doenças cardiovasculares, câncer, diabetes e depressão.

O fato de dormir mal afeta ainda a alimentação - mais de um terço das pessoas come mal quando dorme pouco. Além disso, quem não dorme bem opta por alimentos pouco saudáveis durante a jornada, o que está relacionado ao aumento de peso.

Dormir mal também pode gerar uma série de transtornos mentais, o que requer a busca por ajuda psicológica, com tratamentos que utilizem medicamentos específicos ou terapia comportamental. As limitações cognitivas também são notadas em pessoas que têm sono de má qualidade. Distrações e dificuldades de aprendizado são alguns dos prejuízos causados por noites mal dormidas.

Outro grande risco causado pelo fato de dormir mal é o aumento no nível de acidentes - um em cada cinco tem relação com a falta de sono. Segundo o órgão de segurança de estradas dos Estados Unidos (NHTSA, na sigla em inglês), 40 mil pessoas se ferem por ano no país por problemas relacionados à falta de sono e 1.550 são vítimas fatais desse tipo de acidente.

Foto: © Akos Nagy - Shutterstock.com