Camisinha muda de cor ao detectar DST

luis.saude - 26 de junho de 2015 - 07:54

Camisinha muda de cor ao detectar DST

Descoberta de estudantes rende prêmio em dinheiro e já está na mira de empresas de contraceptivos

(CCM SAÚDE) - Três adolescentes britânicos desenvolveram a ideia de um preservativo que muda de cor ao entrar em contato com vírus de doenças sexualmente transmissíveis. O preservativo tem um indicador embutido que é capaz de identificar infecções, como clamídia e sífilis, modificando sua cor a partir dos micro-organismo presentes. Os alunos Daanyaal Ali, de 14 anos, Muaz Nawaz, 13, e Chirag Shah, 14, estudam na Academia Isaac Newton em Ilford, Essex. O objetivo deles era "tornar a identificação de doenças venéreas mais seguras do que nunca", sem precisar fazer testes invasivos.



O produto foi chamado de S.T.Eye (um trocadilho para olho para doenças sexuais) e tem o objetivo de combater as crescentes taxas de infecção.

Segundo a publicação britânica "Daily Mail", a camisinha, caso produzida, conteria uma camada de moléculas que ficariam fosforescentes quando em contato com bactérias e vírus associados a DSTs. Se for detectada clamídia, por exemplo, a camisinha ficaria da cor verde. Caso detectasse herpes, o preservativo ficaria da cor amarela. Para sífilis, a cor seria azul, e em caso de presença do papiloma vírus humano, o HPV, a cor seria roxa.

A criação dos jovens ganhou o prêmio TeenTech, dedicado a adolescentes que desenvolvem projetos inovadores. Eles receberam cerca de R$ 4 mil e uma viagem para o Palácio de Buckingham, em Londres. Os adolescentes também informaram que uma empresa de preservativos já entrou em contato para comprar a ideia, mas não informaram mais detalhes.

Foto: © Pixabay.