Articulações não se recuperam, dizem cientistas

Natali.Saude - 7 de julho de 2016 - 08:39

Articulações não se recuperam, dizem cientistas

Pesquisadores dinamarqueses reforçam a importância de cuidar delas enquanto se é jovem e saudável

(CCM SAÚDE) — Pesquisadores da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, chegaram à conclusão de que a cartilagem humana raramente se regenera na vida adulta, comprovando que os tratamentos atuais para doenças articulares são ineficientes. Publicado na 'Science Transacional Medicine', o estudo utilizou datação por radiocarbono. Com esses indícios, ficou comprovado que a prevenção é a melhor estratégia para combater as complicações que acometem 10% da população mundial e mais de 10 milhões de brasileiros, sobretudo as mulheres.

"O fato de não existir renovação explica por que é tão difícil curar ou recuperar a cartilagem", diz o reumatologista Michael Kjaer, um dos responsáveis pela pesquisa. "A característica especial dela é que, uma vez lesionada, não há potencial de regeneração. Queríamos saber se existe um turnover muito lento no tecido que não pode ser influenciado ou então se esse tecido é fixo, imutável."

A pesquisa de Kjaer usou o método do pulso de bomba, que explora o fato de que todos os organismos vivos incorporam, pela dieta, o carbono-14 da atmosfera. Estudos prévios haviam apontado aumento na síntese de colágeno nos pacientes com osteoartrite, o que poderia representar a tentativa do tecido de se autorreparar, porém Kjaer não detectou esse efeito após datar o carbono-14 em amostras de cartilagem de voluntários nascidos entre 1935 e 1997, sendo que oito eram saudáveis e 15 tinham osteoartrite.

Com base nessa descoberta, os pesquisadores recomendam a prevenção. “Se pudéssemos medir e detectar a quantidade de cartilagem, talvez conseguíssemos intervir nos estágios iniciais para prevenir as lesões”, supõe o autor. "É preciso cuidar de suas articulações enquanto se ainda é jovem. Depois de ter danos na cartilagem, não há mais chances de reparo", conclui.

Foto: © lmcsike - Shutterstock.com
Siga o CCM Saúde no Twitter