Parto prematuro afeta a qualidade do leite

Natali.Saude - 16 de agosto de 2016 - 09:18

Parto prematuro afeta a qualidade do leite

Mães que não completam a gestação geram um alimento carente de micronutrientes essenciais

(CCM SAÚDE) — Um estudo dinamarquês desvendou alguns mistérios envolvendo a qualidade do leite materno em mães que têm bebês prematuros. Segundo eles, esse leite tem níveis baixos de micronutrientes, que interferem no desenvolvimento da criança.

Na pesquisa, os autores desenvolveram uma metodologia capaz de detectar micronutrientes no leite de outras espécies, principalmente vacas. “Em seguida, por meio de colaboradores na Irlanda que tinham acesso a algumas amostras de leite materno de mães que deram à luz prematuramente, montamos esse estudo”, contou ao jornal 'Correio Braziliense' Ulrik Kræmer Sundekilde, do Departamento de Ciência dos Alimentos da Universidade de Aarhus e um dos autores do estudo.

No experimento, constatou-se que o leite de mulheres que tiveram filhos antes do tempo tinha uma composição ainda mais distinta do que o das outras participantes. "Sabe-se que o leite materno de mães de prematuros é diferente, mas, até agora, apenas os macronutrientes tinham sido investigados. Nosso estudo descobriu que outros nutrientes de suma importância também são alterados", detalhou o autor.

Os micronutrientes são os aminoácidos essenciais e glutamatos, que são muito importantes para a proteção do bebê porque influenciam em pontos importantes para o crescimento dele, como a formação do sistema imunológico do corpo.

"Acreditamos que o leite de mães com bebês prematuros [nascimento antes de 37 semanas de gestação] é diferente porque as glândulas mamárias dessas mulheres não estão prontas para produzi-lo completamente. Outra possibilidade é que, talvez, a natureza tenha ‘concebido’ esse leite materno de forma adaptada à situação prematura, um suplemento mais adequado para as necessidades nutricionais desses bebês", complementaram os pesquisadores.

Foto: © Diane McLuckie - Shutterstock.com

Siga o CCM Saúde no Twitter