Estudo liga zika à síndrome de Guillain-Barré

Natali.Saude - 2 de setembro de 2016 - 09:39

Estudo liga zika à síndrome de Guillain-Barré

Confirmação foi dada por cientistas da Organização Pan-Americana de Saúde, após analisarem sete países

(CCM SAÚDE) — Após analisarem dados sobre a incidência da síndrome de Guillain-Barré antes e depois da chegada do zika vírus em sete países, cientistas da Organização Pan-Americana de Saúde encontraram uma forte associação entre o vírus e a doença.



Primeiramente detectado no Brasil, o surto de zika se espalhou pelas Américas e pelo Caribe e começou a ficar alarmante quando adultos se recuperando da infecção do vírus pareceram sofrer de uma incidência da síndrome de Guillain-Barré maior do que a normal. Essa síndrome, vale destacar, é uma desordem autoimune na qual o corpo ataca ele mesmo após uma infecção, ocorrendo tipicamente nos dias depois da doença.

Para chegarem a essa conclusão, os pesquisadores avaliaram um total de 164.237 casos confirmados e suspeitos de infecção do zika e 1.474 casos de Guillain-Barré que ocorreram entre 1° de abril de 2015 e 31 de março de 2016, usando dados coletados em relatórios oficiais de sete países.

A análise encontrou uma associação próxima entre o aumento dos casos de zika e o dos de Guillain-Barré. Em comparação com índices pré-zika, a síndrome de Guillain-Barré aumentou 172% na Bahia, que foi muito atingida pelo surto do vírus. Houve aumentos similares em outros países, como a Colômbia, a República Dominicana, El Salvador, Honduras, Suriname e Venezuela.

Agora, com base nessas descobertas, os pesquisadores têm certeza de que o zika e a Guillain-Barré são "fortemente associados", mas, segundo eles, mais estudos são necessários para provar a relação de causa direta.

Foto: © bogdanhoda - Shutterstock.com

Siga o CCM Saúde no Twitter