Criada pomada que acelera a cicatrização

Natali.Saude - 5 de setembro de 2016 - 09:43

Criada pomada que acelera a cicatrização

Cientistas da Universidade Federal de Viçosa desenvolveram pomada natural com baixo risco de alergias

(CCM SAÚDE) — Cientistas da Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Minais Gerais, criaram uma pomada com efeito mais rápido que o de substâncias tradicionais na cicatrização de feridas resistentes. Por ser natural, esse medicamento apresenta baixo risco de alergia e é indicado para pacientes com psoríase, diabetes e queimaduras.

Um composto obtido do urucum é o responsável pelos efeitos positivos. "O passo mais curto para se chegar a uma inovação dentro da universidade é aproveitar o conhecimento popular", diz o professor titular do Departamento de Tecnologia de Alimentos da UFV Paulo César Stringheta, que, com Aloísio José dos Reis, descobriram o potencial curativo dessa substância natural.

Os primeiros testes em animais, em 2004, foram realizados com o extrato puro de urucum, e os resultados, comparados com os das duas pomadas de cicatrização mais utilizadas. "Para nossa surpresa, constatamos, por meio de vários exames de bioquímica e também o exame visual, que a cicatrização era igual ou mais rápida que as dos fármacos. Foi aí que acendeu a luzinha de que estávamos diante de um produto com eficácia", conta Stringheta.

Essa descoberta pode beneficiar, principalmente, pacientes diabéticos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem cerca de 400 milhões de diabéticos no planeta. Desses, 16 milhões estão no Brasil, que registra 55 mil casos de amputação anualmente em pacientes com lesões causadas pela doença metabólica. Stringheta conta que conheceu pessoas que não podiam sair de casa e que, graças à pomada à base de urucum, essa realidade foi transformada.

"Eram feridas difíceis até de olhar. Pensar que um ativo natural conseguiria atacar uma lesão que torna a vida difícil é uma recompensa enorme. São pessoas que me ligam para contar que, depois de dois anos em casa, estão indo à missa. Como pesquisador, é uma satisfação ver o produto desenvolvido na bancada de uma farmácia. A ciência vale a pena, a gente sempre chega a algum lugar", garante.

O produto foi patenteado em 2006 e registrado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como dermocosmético, sem contraindicação. A expectativa é de que a pomada chegue às farmácias de todo o Brasil até o fim do ano.

Foto: © TRAIMAK - Shutterstock.com

Siga o CCM Saúde no Twitter