Álcool em excesso aumenta risco de demência

Natali_CCM - 28 de fevereiro de 2018 - 08:44

Álcool em excesso aumenta risco de demência

Estudo francês realizado com mais de 1 milhão de pessoas aponta para essa tendência

(CCM SAÚDE) — O consumo excessivo de álcool é ligado ao surgimento de vários doenças, tais como cirrose, problemas cardíacos, hipertensão e outros, mas uma pesquisa francesa indica que a demência pode ser outra consequência desse hábito.



Para o estudo, publicado na revista científica 'Lancet Public Health', analisou-se os casos de pessoas que foram hospitalizadas na França, entre 2008 e 2013, por causa de transtorno ligado ao abuso de álcool. Descobriu-se, então, que o consumo excessivo de bebidas alcoólicas colabora na progressão da demência, principalmente de maneira precoce, ou seja, antes dos 65 anos.

Em geral, estudiosos recomendam que não sejam consumidas mais de 14 unidades de álcool por semana (cerca de dez latas de cerveja ou sete taças de vinho). Pessoas que excedem esse consumo têm três vezes mais chances de desenvolver doenças ou ter o quadro piorado.

Considerada como uma síndrome, a demência gera deterioração da memória e das funções cognitivas. Grande parte dos casos de Alzheimer, mais importante causa de demência, surge depois dos 65 anos e aumenta com o envelhecimento.

Descobrir possíveis fatores de riscos para esse problema pode ser de grande ajuda para prevenção. A recomendação é, além de não exagerar no consumo de bebidas alcoólicas, praticar exercícios físicos regularmente, manter-se mentalmente ativo e ter uma dieta equilibrada.

Foto: © Pravit Kimtong - 123RF.com