Bactérias em latas e garrafas: mais de 1 milhão

Natali_CCM - 20 de abril de 2018 - 08:58

Bactérias em latas e garrafas: mais de 1 milhão

Estudo feito em Campinas encontrou fungos e bactérias em recipientes vendidos por ambulantes

(CCM SAÚDE) — Quando bate a sede, um vendedor ambulante é como um oásis em meio ao deserto, porém, um estudo recente indica que garrafas, latas e até o isopor que os abriga podem reunir 1,4 milhão de bactérias e fungos.



Um estudo conduzido pela Faculdade de Biomedicina na UniMetrocamp Wyden, em Campinas (SP), indica que 60% desses recipientes estão contaminados. A pesquisa foi conduzida a partir da coleta de amostras em cidades da região de Campinas e na capital paulista.

Dentre as 15 amostras de água, 60% delas estavam contaminadas com coliformes totais, fecais e a bactéria Escherichia coli, responsável por infecções no intestino e de urina.

"Não esperava que as amostras de água dos isopores estivessem tão contaminada. Imaginava que a água estivesse livre, e que a gente pudesse encontrar apenas alguns micro-organismos nas embalagens, porque vêm de um transporte, ficam em depósito com muita sujeira", explica a professora doutora Rosana Siqueira, orientadora da pesquisa.

Das 26 latinhas avaliadas, 12 tinham fungos e bactérias proliferados em quantidades importantes (1 mil a 1,4 milhão de micro-organismos). Nas garrafinhas PET de refrigerante a contaminação atingiu a casa dos 15 mil. Já os bocais das garrafas de água chegaram a 28 mil contaminantes.

Para reduzir as chances de contaminação, os pesquisadores recomendam que se faça uma boa limpeza das bebidas antes de colocá-las no gelo, além de sempre higienizar as mãos com álcool em gel.

Os consumidores podem se prevenir utilizando canudos e passando um guardanapo de papel no bocal de latas e garrafas.

Foto: © Pablo Hidalgo - 123RF.com