Consumo de cálcio no país é bem abaixo do ideal

Natali_CCM - 30 de abril de 2018 - 10:15
Consumo de cálcio no país é bem abaixo do ideal
Pesquisa da Fundação Internacional de Osteoporose indica que diversos países sofrem com o problema

(CCM SAÚDE) — O consumo de cálcio é muito importante para a saúde dos ossos, sua baixa incidência no organismo, aliás, pode causar doenças como osteoporose. No Brasil, entretanto, a taxa de consumo desse mineral é alarmante, segundo estudo.


Conduzida por especialistas da Fundação Internacional de Osteoporose, a pesquisa avaliou dados de ingestão de cálcio em 74 países. O resultado foi que, em apenas 16, as recomendações são seguidas. No Brasil, a ingestão não chega à metade do necessário.

Diariamente, a taxa recomendada para ingerir cálcio é de mais de 900 mg por dia. Entre os brasileiros, a taxa varia entre 500 e 600 mg. Caso essa taxa fosse obedecida, a incidência de fraturas teria uma redução entre 15 e 20%, dizem os especialistas.

O reumatologista Cristiano Zerbini, diretor do Centro Paulista de Investigação Clínica e autor de 100 artigos científicos nessa área, explicou no evento as causas dos problemas ósseos, entre eles a osteoporose.

"A genética é responsável por cerca de 70% da saúde dos ossos. O restante depende da prática de exercícios físicos, do hábito de tomar sol e da alimentação", afirma.

No Brasil, atualmente, o risco de fratura grave é de 50% entre mulheres acima dos 50, e de 20% a 25% no caso dos homens. A razão disso é que, depois que se atinge o pico de massa óssea, ou seja, a quantidade máxima de osso acumulado, que acontece na terceira década de vida, a tendência é estabilização e, depois, queda.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que as fraturas ósseas roubam 5,8 milhões de anos de vida saudável da população. Uma medida para combater isso seria elevar o consumo de leite e seus derivados, bem como tomar 20 minutos de sol todos os dias e praticar exercícios físicos.

Foto: © Yuganov Konstantin - Shutterstock.com