Molécula do ecstasy contra síndrome psiquiátrica

Pedro Muxfeldt - 2 de maio de 2018 - 09:13
Molécula do ecstasy contra síndrome psiquiátrica
Uso de MDMA potencializou efeitos de sessões de terapia em pacientes com estresse pós-traumático

(CCM SAÚDE) — Uma substância presente no ecstasy, droga psicotrópica proibida na maioria dos países, pode auxiliar no tratamento de pessoas com síndrome do estresse pós-traumático, defende estudo realizado nos Estados Unidos.


Na pesquisa, 26 portadores da síndrome - 19 homens e sete mulheres - receberam doses de 30, 75 ou 125 miligramas de metilenodioximetanfetamina (MDMA) associadas a sessões de terapia com psicólogos. Pacientes e profissionais não conheciam as doses ingeridas. O trabalho foi publicado na revista científica Lancet Psychiatry.

Para os pacientes usando doses mais elevadas, os primeiros resultados foram sentidos no primeiro mês de tratamento, com redução de sintomas ligados à doença. Ao final de 12 meses do experimento, 16 dos 24 voluntários que concluíram o tratamento não tinham mais o diagnóstico da síndrome.

Pelos resultados satisfatórios e a demonstração da segurança do método implementado, os pesquisadores receberam autorização do FDA, agência reguladora estadunidense, para iniciar a fase 3 da pesquisa, isto é, experimentos com grupos maiores de pacientes para comprovar a eficácia da substância.

Foto: © wavebreakmedia - Shutterstock.com