Exercícios não reduzem avanço da demência

Pedro.CCM - 18 de maio de 2018 - 07:50

Exercícios não reduzem avanço da demência

Por outro lado, prática de atividade física previne ou atrasa surgimento da doença

(CCM SAÚDE) — A prática de exercícios físicos moderados não impede o avanço da demência e pode inclusive ser negativo para pacientes com essa condição, aponta estudo da Universidade de Oxford, no Reino Unido.



O experimento, financiado pelo sistema público de saúde britânico, que analisa a inclusão de atividade física como terapia contra a demência, demonstrou que pacientes já em processo de perda cognitiva não apresentaram redução do ritmo de evolução da doença por conta dos exercícios.

Ao todo, 165 voluntários participaram do estudo. Durante quatro meses, eles foram submetidos a um regime de atividades de 60 a 90 minutos duas vezes por semana. Ao invés de apresentar melhora ou estabilização do quadro demencial, esse grupo de pacientes teve perda cognitiva, medida por testes padrão, superior às pessoas que não praticaram exercícios.

Os resultados, no entanto, não indicam que esse grupo de pessoas deva parar de fazer exercícios, afirma a pesquisadora Sarah Lamb, autora do estudo. A atividade física traz outros benefícios importantes, como redução do risco cardiovascular, perda de peso e facilidade de movimentação.

Além disso, outros estudos já demonstraram que, em pacientes ainda sem a doença, os exercícios são parte importante do processo de prevenção ou, no mínimo, atraso do surgimento do quadro de demência.

Foto: © stylephotographs - 123RF.com